Voltar
Mobilidade para quê?

Resistência e segurança estão no DNA da Nova Geração

Tecnologias embarcadas de segurança ativa e airbag lateral exclusivo são diferenciais da Nova Geração Scania

26/08/2020 - 2 minutos, 54 segundos


Caminhão-scania
Foto: Divulgação Scania

A cabine Scania atende às normas de segurança sueca, que são mais exigentes em relação a todas as certificações vigentes na Europa, e ainda mais se comparar ao Brasil. Isso já posiciona os caminhões da marca no topo quando o tema é segurança embarcada.

Leia mais:
Aberta a temporada de caminhões para cana
Soluções no transporte de cargas reduzem impactos ambientais
Foton se consolida no Brasil

Assim, a cabine dos caminhões Scania tem um nível de resistência a impactos frontais, laterais e até mesmo de teto superior ao exigido.

Gerente de Produto da Scania Brasil, Paulo Gianezini, explica que esse reforço estrutural da cabine contribui para evitar que o motorista sofra impactos em caso de acidentes – já que, quanto maior a resistência da cabine, menor é a chance de o condutor ser atingido.

Nesse sentido, para reforçar ainda mais a segurança, a Nova Geração pode ser oferecida com os airbags laterais anticapotamento, que são integrados no teto.

Com o cinto de segurança, a “cortina” de airbags é uma característica crucial na prevenção de um dos tipos mais comuns de acidentes, com consequências graves envolvendo caminhões: o motorista ser atingido dentro da cabine por partes interiores ou ser preso por baixo dela. O sistema é inédito em caminhões no Brasil e chega para se somar aos airbags frontais tradicionais e reforçar a segurança dos motoristas.

Tecnologia para prevenir acidentes

Além das ferramentas de segurança passiva, a fabricante do grifo também disponibiliza nessa Nova Geração tecnologias de segurança ativa chamadas Advanced Driver Assistance Systems (ADAS). Elas ajudam a evitar que acidentes ocorram, e muitas delas estão presentes em caminhões autônomos.
O sistema ADAS utiliza câmera instalada no para-brisa e um radar no para-choque do veículo. Diversos sensores auxiliam a fazer a “leitura” do trajeto, permitindo que a ferramenta trabalhe por meio de três dispositivos.

O sistema eletrônico de frenagem de emergência, que funciona por meio do radar e da câmera, mede a distância e a velocidade relativa de qualquer veículo na pista, para intervir e evitar acidentes.

Para isso, utiliza os freios de serviço auxiliares e também as trocas de marcha por meio da caixa automatizada Scania Opticruise. E, dessa forma, reduz o risco de colisões frontais.

Outro dispositivo é o controle de cruzeiro adaptativo (ACC). Sua função é auxiliar o condutor a manter uma distância segura em relação ao veículo que estiver à frente. O radar consegue fazer a leitura da velocidade do veículo à frente e, assim, controla a velocidade do caminhão no mesmo nível, para que ele não avance, evitando acidentes.

Alertas sonoros e visuais

Já o sistema de aviso de saída de faixa (LDW) monitora as faixas de rolagem da pista. Ele avisa o motorista com alertas sonoros e visuais quando o veículo sair de forma involuntária e invadir o espaço ao lado. Mas os avisos são dados caso o condutor não dê seta para sinalizar que fará a ação.

A Nova Geração chega com sistema de frenagem mais avançado. Para colocar em prática sua eficiência, a solução foi trazer o eixo dianteiro 50 mm para a frente.

Com isso, um cavalo-mecânico 4×2 com cerca de 40 toneladas de peso bruto total (PBT) pode parar totalmente, por exemplo, numa velocidade de 80 km/h em uma distância 5% mais curta. Trata-se de um avanço muito importante para reduzir acidentes.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login