Voltar
Rally Dos Sertões

Não fique perdido: conheça o ‘idioma’ falado no rali

Como todo esporte o rali tem uma linguagem própria com termos desconhecidos para quem não conhece a modalidade. Elaboramos um glossário, para lhe ajudar a acompanhar a prova; confira

27/10/2020 - 2 minutos, 26 segundos


piloto-de-moto-no-rali-dos-sertoes

Como todo esporte, o rali possui linguagem própria. Para quem não está acostumado, ou ainda não teve oportunidade de fazer parte de uma competição, muitas vezes é difícil entender os termos utilizados nas provas.

A 28ª edição do Rally dos Sertões incorporou mais uma palavra à modalidade: bolha. Como está ocorrendo em outros esportes, a bolha nos Sertões será o espaço delimitado somente às equipes e competidores, ou seja, a caravana da competição.

Devido à pandemia, o roteiro do Sertões não acontece de cidade em cidade, mas sim de bolha em bolha. Esse modelo foi a maneira encontrada para que não haja aglomerações, abrindo mão da presença de público e contato entre competidores e comunidades locais por onde a prova percorre.

Organizamos, portanto, um glossário do rali, com alguns termos muito comuns na prova; confira:

Off Road: o Rally dos Sertões é uma prova off road. Isso quer dizer que as pistas não são pavimentadas e possuem desafios naturais, como terrenos íngremes, lama, terra, dunas, entre outros;

Planilha: mapa com indicações a serem seguidas pelos participantes, compostos por trechos de deslocamento, neutralizados e trechos de velocidade. Vale lembrar que na categoria motos e quadriciclos os competidores são pilotos e navegadores ao mesmo tempo.

É a planilha que contém todas as informações necessárias para se percorrer a trilha, tais como: quilometragem de referência, símbolo de identificação, tempo e demais orientações, quando necessárias;

Prólogo: circuito fechado para tomada de tempo entre os participantes e definição da ordem de largada;

Trechos neutralizados/deslocamentos: um trecho neutralizado é utilizado para deslocamento dos participantes através de cidades ou locais de grande movimento. Ou ainda por regiões que não seja possível manter-se uma média horária. Para tanto, a planilha apresenta um tempo para percorrer este trecho. Este tempo foi estabelecido para permitir ao competidor cumprir o trajeto com tranquilidade;

Especiais: são trechos de velocidade cronometrados, ou seja, contra o relógio. Vence o mais rápido;

Cronometragem: com uma conta simples, horário de chegada menos o horário de largada, obtém-se o tempo do competidor na especial;

Navegação: todas as referências da planilha da prova têm um desenho explicativo da situação que o competidor encontrará pela frente, que deverá ser o mais fiel possível dentro do conhecido código tulipa, que consiste em simbologia de fácil percepção;

“Forfetar”: existe um prazo para que o competidor finalize a etapa do dia. Se perder este prazo, o participante “forfetou”, ou seja, será penalizado e cairá posições na classificação da prova;

Cureca: significa uma zona que requer mais atenção dos competidores. Na planilha seu desenho é de uma caveira. Sua graduação – até três curecas – mostra o nível de perigo.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login