Voltar
Rally Dos Sertões

Sertões 2020 se desloca em ‘bolhas’

Rali deste ano terá tecnologia de monitoramento para assegurar o distanciamento social e garantir a segurança dos participantes e das comunidades locais

31/10/2020 - 3 minutos, 27 segundos


Bolha montada no autódromo Velocittá, em Mogi Guaçu (SP), de onde a prova largou neste sábado em direção ao Distrito Federal. Foto: Rodolfo Bazetto/Divulgação

Os números do Rally dos Sertões impressionam. Considerada a maior competição off road das Américas, a prova, que teve início nesta sexta-feira (30) e vai até 7 de novembro, largou de São Paulo e cruzará cinco estados brasileiros e o Distrito Federal até chegar ao Maranhão, num percurso de 4.567 quilômetros. Serão cerca de 1.500 pessoas na caravana acompanhando todo o percurso, entre pilotos, navegadores, equipes de apoio e organização.

Provas de grande extensão como o Sertões requerem uma boa logística e infraestrutura. Por conta da pandemia da Covid-19, foi necessário elaborar uma estratégia para proteger quem está na competição do novo vírus, da mesma forma que as comunidades por onde passa o rali.

Com todos os competidores devidamente testados e livres do vírus, a solução da organização para manter o distanciamento social no decorrer do percurso foi criar “bolhas”, que são áreas restritas somente às equipes e competidores para evitar aglomerações. Agora, a caravana se desloca de bolha em bolha, ao invés de uma cidade para outra.

Entre as medidas adotadas pelo Sertões, uma delas é que a caravana obrigatoriamente caminhará em rotas pré-determinadas, inclusive o abastecimento dos veículos também será feito em postos demarcados. Para garantir a eficiência dos protocolos de segurança, cada passo será monitorado. A tecnologia, mais uma vez, vem como forte aliada.

Sistemas de rastreamento já conhecidos no rali são colocados em prática e ganham ainda mais importância, como o aparelho GPS Rastro. A cada segundo são coletadas informações a respeito do posicionamento dos veículos em uma pequena placa. Com isso, pode-se formar toda a trajetória percorrida naquele dia.

Com o GPS Rastro, da Totem, é possível monitorar a rota dos veículos do rali. Foto: Reprodução

“A pessoa que utiliza o aparelho não consegue desligá-lo manualmente. Nós o configuramos de forma automática para evitar fraudes na compilação dos dados. Fizemos um projeto, específico para o Rally dos Sertões, que demorou dois meses no desenvolvimento do software”, explica Alexandre Chiarello Bortot, mais conhecido como Peninha, presidente da Totem, empresa responsável pelo sistema de monitoramento dos veículos na prova.

Não apenas os pilotos inscritos na competição, como também suas equipes de apoio, deverão ao final do dia entregar o aparelho à secretaria de prova do rali, que terá acesso a todo o banco de dados da geolocalização do competidor/veículo, checando se o mesmo realizou o trajeto permitido. O pernoite dos competidores e equipes também acontecerá obrigatoriamente nesta “bolha lacrada”.

“Isso garantirá que todos os envolvidos na prova façam o mesmo percurso e não desviem do trajeto, das estradas e postos autorizados, entrando nas comunidades locais. É um sistema muito prático, pois o download do Rastro demora somente oito segundos e logo gera o relatório”, acrescenta Peninha.

Sistemas de monitoramento não são novidade em competições off road. Antes da pandemia, sua utilização era para checar a segurança e localização dos competidores nos trechos cronometrados.

Direção segura

Pelo segundo ano consecutivo, todos os veículos da organização do Rally dos Sertões ganharam uma tecnologia fornecida pela Smart Driving Labs – empresa de soluções de software e hardware para coleta, análise e interpretação de dados telemáticos em veículos automotivos.

A tecnologia permite o monitoramento, em tempo real, de parâmetros importantes como velocidade média, freadas bruscas, eventuais problemas no percurso, entre outros. Por meio de um dispositivo eletrônico, chamado Element, é possível aprimorar a segurança de motoristas, além de prevenir furtos, roubos e ajudar a detectar acidentes.

No ano passado, o custo com manutenção destes veículos após o rali diminuiu em cerca de 35%. Já o motorista que melhor pontuar na comparação de relatórios deste ano, ou seja, que pilotar de forma segura, vai ganhar uma premiação, oferecida pela Smart Driver, no valor de R$ 20 mil.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login