Voltar
Meios de transporte

Peritos do pedal

A escola Royal Cycle forma ciclistas bons de condução – e de conduta

Paulo Vieira, do caderno Mobilidade

09/01/2020 - 3 minutos, 32 segundos


Patrícia Casonato: "O ciclismo urbano é um movimento que vem crescendo a cada dia em São Paulo. Parece brincadeira, mas nas ciclovias já há trânsito nos horários de pico". Crédito: Divulgação

Leia mais:
Cresce uso de bicicletas na região central de São Paulo
Nova marca de bikes compartilhadas chega a São Paulo
Ciclistas lutam por mais espaço

“É como andar de bicicleta. Aprendeu, não esquece mais.” Toda vez que alguém fala de alguma nova competência que tende a ser dominada até o resto dos nossos dias, a comparação com a bicicleta é inevitável. Talvez porque pedalar não seja uma atividade muito complexa, requer pouco mais do que manter o equilíbrio, o movimento constante das pernas e estar atento para o que se passa ao redor. Para quem aprende a pedalar na escola Royal Cycle, de São Paulo, há, contudo, mais exigências. Autoproclamada a “primeira escola profissional de ciclismo do Brasil”, a instituição, fundada pelo educador físico paulista Vinicius Ferreira, de 41 anos, forja ciclistas que querem se aventurar nas ciclovias e abandonar o carro no dia a dia, mas também quem busca uma melhora de desempenho na estrada ou mesmo nos singletracks de montanha.

Módulo para iniciantes

A principal demanda é mesmo a de mobilidade urbana. “Ensino a pedalar de forma correta e segura”, diz Ferreira, o que, para ele, significa não apenas ter equilíbrio sobre o veículo mas dominar algumas regras de condução, como aprender a olhar para trás – pelos dois lados – sem perder o controle da bike e ser capaz de usar as duas mãos (juntas) para se hidratar em movimento. O educador também ensina regras de conduta, como fazer sinais de conversões e de parada. Tudo isso acontece no “módulo” voltado para iniciantes – três aulas individuais de uma hora, cada uma, que saem a R$ 195 (por aula). Há ainda outros dois módulos, mais avançados. A modelo, atriz e agora empresária de teatro infantil Alinne Samy, que sempre gostou de pedalar a bike fixa das aulas de spinning, decidiu fazer o módulo básico para poder usar a ciclofaixa de domingo de São Paulo – que, ironicamente, teve sua operação recentemente interrompida. “Queria aprender a pedalar direito, estava meio traumatizada com algumas quedas, e vivia vendo ciclistas fazendo ultrapassagens sem sinalizar. Eu achava muito perigoso pedalar em São Paulo”, diz.

Ao ficar mais segura na bike, Alinne ampliou também suas ambições esportivas. Às três maratonas que já correu acaba de adicionar um 70.3, o chamado “meio Ironman”, a prova de triatlo em que é preciso nadar 1,9 quilômetro, correr 21 – e, claro, pedalar 90.

Ferreira, o fundador da Royal Cycle, diz que começou a pedalar regularmente desde criança, por uma decisão pessoal de evitar o busão para ir à escola. A adesão “orgânica” e precoce à bike levou-o a criar a Royal Cycle e agora publicar um livro. No começo de setembro, ele lançou Bike: Sua Vida em Equilíbrio, em que sumariza para os leitores os módulos da Royal Cycle. Custa R$ 50 (sem frete). Veja em royalcycle.com.br.

5 dicas de segurança

Confira os conselhos de Vinicius Ferreira, da Royal Cycle, para pedalar tranquillo

1 – ESQUEÇA OS FONES DE OUVIDO

Na bike, usamos basicamente dois sentidos, a visão e a audição. Muitos percursos de mobilidade urbana são curtos, de menos de 20 minutos (ou cinco músicas). Vale correr riscos por cinco músicas?

2 – USE CAPACETE

Temos ciclovias perigosas em São Paulo, com postes próximos das áreas em que passamos com a cabeça. Se o problema é o cabelo, leve algo para pentear na sua bolsa/mochila.

3 – PEDALE PELA DIREITA E RESPEITE PARA SER RESPEITADO

Na curta distância, não existe nada mais rápido que a bicicleta; por isso, dê passagem. Antecipe seus movimentos para passar segurança para pedestres e motoristas. Vale evitar avenidas movimentadas e sempre ficar na faixa da direita.

4 – USE LUZ BRANCA NA FRENTE E VERMELHA ATRÁS

Equipamentos são fundamentais para o ciclista ser visto a uma distância segura pelos motoristas. Há que se considerar a hipótese de o motorista estar distraído com um aplicativo e reagir tarde demais à irrupção de uma bicicleta.

5 – SINALIZE COM MOVIMENTOS AMPLOS

Quanto mais você explicitar e antecipar suas atitudes, mais segura a condução. Sinalize, com os braços correspondentes, suas conversões à direita e à esquerda, e também deixe claro que está para parar.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login