Voltar
Meios de transporte

Motos também ajudam o trabalho no campo

Modelos do segmento trail, feitos para rodar no asfalto e na terra, auxiliam em tarefas e nos deslocamentos pelas vias não pavimentadas do Brasil

Arthur Caldeira

28/09/2020 - 4 minutos, 21 segundos


moto para trabalho no campo
Com apenas 12,4% da malha rodoviária pavimentada, motos como a Honda NXR 160 Bros fazem sucesso nas áreas rurais do Brasil. Fotos: Divulgação

Leia mais:
Kawasaki Z900 2021 chega às lojas por R$ 47.990 com mais eletrônica
Podcast Delivery #7: Dicas de pilotagem segura para entregadores
Mitos e verdades sobre lubrificante de moto

Com apenas 12,4% da malha viária pavimentada, ainda há muitas estradas de terra por esse Brasil afora, revelou a edição 2019 da pesquisa de rodovias da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), realizada anualmente. Nesse cenário, as motos para trabalho no campo têm atraído cada vez mais consumidores por ser uma opção de transporte adequada ao tipo de piso predominante nos rincões do País. 

As motos trail, classificadas pelos fabricantes como modelo de moto de baixa e média capacidade cúbica destinada ao uso tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado, são a segunda categoria mais popular no Brasil. Com 20% do mercado, perdendo apenas para as motos street (urbanas), esses modelos de uso misto emplacaram 216.652 unidades no ano passado – aumento de 7,7% em comparação a 2018.

Um dos modelos mais vendidos, a Honda NXR 160 Bros, aparece, inclusive, na terceira colocação entre os dez modelos campeões de venda no País, com 122.353 unidades emplacadas em 2019. Outro modelo Honda, a XRE 300, e um da Yamaha, a XTZ 150 Crosser, também figuram no ranking.

Chassi reforçado é destaque das motos para trabalho no campo

As principais diferenças das motos trail para as conhecidas street são o chassi reforçado e as suspensões de curso mais longo. A Honda Bros, por exemplo, tem roda raiada de 19 polegadas e suspensão telescópica com 180 mm de curso, na dianteira. Como comparação, a Honda CG 160, moto mais vendida do Brasil, tem roda de liga-leve e aro 17 com 135 mm de curso na frente. 

Os modelos também usam pneus de uso misto para rodar com mais segurança por estradas de terra ou mal pavimentadas. A posição de pilotagem ereta, o assento mais amplo e o guidão largo também proporcionam mais conforto em terrenos acidentados. 

A motorização costuma derivar dos modelos street. A Bros usa o mesmo motor de 160 cc, bicombustível, da CG 160; e sua concorrente a Yamaha XTZ 150 Crosser também é equipada com o propulsor de um cilindro e 150 cc, da Factor 150.  

No quesito segurança, algumas motos de uso misto, como a Bros 160, oferecem freio a disco nas duas rodas e sistema de freios combinados – que distribui a frenagem para a roda dianteira, quando o condutor “pisa” apenas no pedal do freio traseiro. Em 2019, a Yamaha inovou e trouxe o sistema ABS, que evita o travamento das rodas, para seu modelo de uso misto, a XTZ 150 Crosser. 

Incentivos foram extintos

Ver agricultores usando motos enquanto realizam suas tarefas ou em deslocamentos é cada vez mais comum no interior do Brasil. Afinal, os produtores rurais de pequeno porte descobriram que as motos podem ser mais baratas e eficientes do que os animais para realizar alguns trabalhos no campo. 

OFERTAS 0KM

A utilidade desses veículos para a agricultura familiar foi até reconhecida pelo governo federal em 2018. Por meio do programa Pronaf Mais Alimentos, o BNDES disponibilizou uma linha de crédito especial para que o produtor rural adquirisse sua moto com facilidades. As taxas de juros variavam de 0,5% e 4,6% ao ano e o prazo pode chegar a 120 meses, com carência de até três anos. 

Entretanto, o Plano Safra 2020/2021, anunciado em julho deste ano, destina R$ 33 bilhões para a agricultura familiar, mas retirou as motocicletas de 150 a 250 cm³ da lista dos bens elegíveis para o Pronaf – Mais Alimentos.

Quadriciclo: do lazer ao trabalho no campo

Outro tipo de veículo, derivado das motos, que também tem se tornado instrumento de trabalho no campo são os quadriciclos. Com suspensão e quadro que remetem às motocicletas, esses veículos de quatro rodas também são chamados de ATV (All Terrain Vehicle). Famosos como veículos de lazer, esses modelos têm conquistado espaço entre produtores rurais como um instrumento de trabalho.

Quadriciclos, como o Honda Fourtrax 420, também são usados para puxar arado ou transportar cargas. Foto: Divulgação/Honda

Além de motocicletas, a Honda fabrica produtos de força, como motores estacionários e roçadeiras, e um quadriciclo utilitário. O Fourtrax 420 é vendido desde 2002 no Brasil e tem conquistado agricultores com sua aptidão para o trabalho. 

Equipado com um motor de um cilindro, 420 cc, alimentado por injeção eletrônica, produz 26,9 cv de potência máxima e 3,4 kgf.m de torque, capaz de puxar um pequeno reboque. O Fourtrax tem ainda diferencial dianteiro autoblocante dotado de sensor de torque e limitador de deslizamento, com seletor de tração 4×2 ou 4×4. Em 2019, a marca vendeu 5.185 unidades do Fourtrax no Brasil. Atualmente, o modelo é vendido por R$ 30.230.

Conheça os modelos de moto trail mais vendidos do País

Honda NXR 160 Bros

Motor: um cilindro, 162,7 cm³
Câmbio: cinco marchas
Freios: a disco nas duas rodas com CBS
Suspensão dianteira: telescópica com 180 mm de curso
Suspensão traseira: monoamortecida com 150 mm de curso
Peso: 121 kg
Preço: a partir de R$ 13.250

Yamaha XTZ 150 Crosser Z

Motor: um cilindro, 149 cm³
Câmbio: cinco marchas
Freios: a disco nas duas rodas com ABS na dianteira
Suspensão dianteira: telescópica com 180 mm de curso
Suspensão traseira: monoamortecida com 160 mm de curso
Peso: 124 kg
Preço: a partir de R$ 14.090

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login