Meios de transporte

Por que avanço da indústria automotiva também é bom para pedestre

“A tecnologia desenvolvida e empregada nos carros particulares sempre evoluiu em todos os modais.”

2 minutos, 36 segundos de leitura

18/08/2021

Foto: Pexels

Se você não tem carro particular ou não anda de carro, pode se perguntar: o que eu e a maioria da população brasileira que anda de transporte coletivo têm a ganhar com os avanços da indústria automotiva?

Pode parecer que não, mas a resposta certa é: mais do que você imagina.

Isso porque, desde sempre, a tecnologia desenvolvida e empregada nos carros particulares sempre evoluiu em todos os modais. Quebrando até as barreiras do planeta Terra.

A General Motors fez história aplicando tecnologias avançadas e engenharia para apoiar o Veículo Lunar Rover, que os astronautas da Apollo 15 dirigiram na Lua em 1971, e, agora, vai repetir o feito.

Em parceria com a Lockheed Martin, empresa global de segurança e aeroespacial, a montadora aceitou um desafio da agência espacial americana (Nasa) e está desenvolvendo a próxima geração de veículos lunares que transportará astronautas na superfície da Lua.

Tecnologia migra para o transporte de massa

O programa Artemis, da agência espacial, está enviando seres humanos de volta à Lua, em que explorarão e conduzirão experimentos científicos usando uma variedade de rovers. A Nasa desafiou a indústria a desenvolver um veículo terreno lunar (LTV), que permitirá aos astronautas explorarem a superfície do único satélite natural da Terra mais longe do que nunca. O LTV é o primeiro de muitos tipos de veículo de mobilidade de superfície necessários para o programa Artemis.

Mas, voltando ao planeta Terra e aos milhões de brasileiros que pegam ônibus todos os dias, podemos garantir que a tecnologia, que começa como aspiracional nos carros de luxo, ao ganhar escala e popularizar-se, não tarda a chegar ao transporte de massa e de cargas.

Assim, as soluções de baterias elétricas desenvolvidas, hoje, para carros de passeio muito em breve serão utilizadas nos ônibus e caminhões, que se tornarão não poluentes, mais silenciosos e com custos de recarga e manutenção reduzidos em relação aos veículos a combustão, o que, em última análise, deverá se refletir nos preços aplicados ao consumidor.

Células de combustível para aeronaves

E as aplicações dessa tecnologia ainda vão muito além dos transportes terrestres. Recentemente, a GM também anunciou que unirá forças com a empresa alemã Liebherr-Aerospace para desenvolver um sistema de geração de energia de célula a combustível de hidrogênio para aeronaves. 

E, depois de conquistar as estradas, os ares e o espaço sideral, literalmente, nem o céu é o limite para onde a tecnologia desenvolvida pela indústria automotiva pode chegar. Certamente, o transporte hidroviário, ferroviário e outros modais individuais como a bicicleta se beneficiarão dos avanços alcançados para promover a eletrificação e a direção autônoma dos carros.

Ou seja, quem ainda acha que o carro é o vilão da mobilidade é melhor pensar de novo. É nessa indústria que a tecnologia que impacta toda a população é desenvolvida.

Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login