Voltar

Embaixadores

Pedro Palhares

Pedro Palhares é é gerente-geral do Moovit no Brasil.

Inovação

A importância dos dados para a mobilidade urbana

São Paulo é uma das cidades em que o Moovit é mais usado no mundo, algo facilitado pela política de dados aberta, adotada pela administração municipal, mantida por diferentes gestões

01/09/2020 - 3 minutos, 21 segundos


Imagem-cidades-conectadas
Foto: Getty Images

É fácil imaginar a cena: você está caminhando para um ponto. Vira a esquina e vê que seu ônibus está parado lá. Corre para alcançá-lo, mas, quando está quase chegando, o motorista acelera e sai… Quem já viveu isso sabe a frustração que é. Uma das missões do Moovit, empresa israelense da qual sou gerente-geral no Brasil desde 2014, é fazer com que isso seja só uma memória distante.

Nosso aplicativo de mobilidade urbana é usado por 840 milhões de pessoas em 103 países, seguindo uma premissa simples: apresenta, com informações em tempo real, opções variadas de rotas, combinando diferentes modais de transporte, micromobilidade e caminhada.

Inclui ainda as estimativas de valor das passagens e de tempo de chegada ao destino. É bem intuitivo, e a base para tudo isso são os dados. Em uma sociedade cada vez mais conectada, tudo o que fazemos gera informações.

Não seria diferente com a mobilidade. O Moovit foi construído em cima disso, e hoje reúne o maior repositório global de dados anônimos sobre mobilidade, que coleta 6 bilhões de pontos de dados todos os dias.

A gente acredita que uma boa política de dados abertos pode fazer muito para tornar as cidades mais integradas, mais sustentáveis, mais inclusivas – enfim, mais simples de se transitar e de se viver.

Falta de dados

A empresa nasceu em Israel justamente por causa da falta de dados. Um dos fundadores ficou sem carro e passou a depender de transporte público.

As informações sobre linhas e cronogramas só estavam disponíveis em tabelas nos pontos e nas estações, quase sempre desatualizadas. Era a oportunidade para deixar esses dados mais acessíveis, o que beneficiaria milhões de passageiros.

O crescimento global do Moovit – estamos presentes em mais de 3 mil cidades – foi canalizado por dois fatores: governos compreendendo que, para criar cidades mais inteligentes, era essencial oferecer dados de transporte público; e uma comunidade global de voluntários digitais que mapeia, checa e edita informações sobre mobilidade para ajudar outras pessoas a transitarem por suas cidades. Nós os chamamos de ‘mooviters’, e já são mais de 750 mil.

O Brasil tem um papel especial nessa trajetória, e é um dos mercados prioritários do Moovit. São Paulo é uma das cidades em que o Moovit é mais usado no mundo, algo facilitado pela política de dados aberta, adotada pela administração municipal, mantida por diferentes gestões.

João Pessoa foi a primeira cidade integralmente adicionada à nossa plataforma pela nossa comunidade. Temos uma relação de proximidade com do Rio de Janeiro desde que o Moovit foi escolhido app de mobilidade oficial da Rio 2016, e somos o único app de mobilidade presente em todas as 27 capitais e no Distrito Federal.

Bom para todos

Gostaria de falar sobre como os dados podem beneficiar toda a cadeia da mobilidade urbana. É bom para os passageiros, que obtêm informações atualizadas para ganhar tempo e fazer a melhor rota.

É bom para as prefeituras e Estados, que ganham mais transparência sobre o uso do transporte público e podem usar uma ferramenta poderosa para identificar gargalos. E é bom para as empresas e os operadores, que conseguem visualizar um retrato fiel da sua operação para torná-la mais eficiente.

Tudo isso será amplificado por novas tecnologias e tendências que usarão dados de maneiras que ainda não conseguimos imaginar. Esse foi um dos fatores que levou a Intel a investir quase US$ 1 bilhão na compra do Moovit, há alguns meses.

A mobilidade é um dos setores que, em pouco tempo, mais passarão por mudanças. Fazer parte de tudo isso é muito empolgante. E, certamente, dará assunto para muita discussão.

Além disso, é com muita alegria que gostaria de informar aos leitores que nós somos o primeiro app o Brasil a ter um ícone do Portal Mobilidade em nosso menu. É o primeiro passo de uma parceria que, com certeza, renderá excelentes resultados.”

Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login