Voltar
Meios de transporte

As melhores opções para o transporte de grãos

Com o agronegócio em alta, fabricantes mostram a competitividade de seus caminhões para carregar a safra 2020/2021

Andrea Ramos

26/05/2020 - 6 minutos, 32 segundos


Iveco-Hi-Way
Iveco Hi-Way. Foto: Divulgação.

Nesta reportagem, o Estradão apresenta o caminhão de cada marca que mais se adequa ao transporte de escoamento de grãos. Nossa apuração levou em conta o fato de que esse é um transporte que não ocorre o ano todo. Portanto, esses cavalos mecânicos são ajustados a todas as atividades de longas distâncias rodoviárias que requerem peso bruto total combinado (PBTC) de até 74 toneladas – capazes de carregar grandes volumes de carga.

Pela chamada lei da balança, esses caminhões devem ser configurados 6×4 e desenvolver potências superiores a 460 cv. Dessa forma, esses veículos podem tracionar implementos do tipo bitrem, de sete eixos, e rodotrem, de nove.

DAF

O representante da DAF para o escoamento de grãos é o XF105 FTT 6×4 de 510 cv. O setor agro representa 70% das vendas da fabricante no País e, não por acaso, o veículo, nessa configuração, é o modelo mais vendido da marca e o terceiro mais comercializado do mercado. Alekson Felício, gerente de produto da DAF, explica que, quanto maior a potência, melhor será a velocidade média.

DAF XF105 FTT. Foto: Rodrigo Czekalsk/ Divulgação

Nessa configuração, a DAF, além de recomendar o veículo de 510 cv, sugere a relação de diferencial de 3,07:1 por oferecer equilíbrio entre performance e força. Por ser uma atividade em que os caminhões percorrem a maior parte do tempo por estradas planas, essa relação é ajustada.

De série, o XF105 é oferecido com controle de tração e auxílio de partida em rampa, itens que fazem a diferença quando o caminhão trafegar por terrenos mais acidentados. Geladeira e climatizador estão no pacote de itens ofertados de série.

Ficha técnica DAF XF105 FTT

Iveco

Bernardo Pereira, gerente de marketing do produto Iveco, revela que 40% das vendas de caminhões pesados da marca são direcionadas ao agronegócio. E 80% dos clientes que compram veículos para a operação de escoamento de grãos elegem o Hi-Way de 480 cv na configuração traçada.

Iveco Hi-Way 480 cv. Foto: Alexandre Andrade/Divulgação

Para entregar um equipamento mais adequado ao cliente, a Iveco fez melhorias na motorização do Hi-Way. Essas mudanças contemplaram nova turbina, novo coletor de escape, um volante do motor renovado que rendeu no aumento da eficiência do sistema de arrefecimento. Além disso, foi feita a calibração geral de motor e da caixa.

Com o maior torque, o desempenho melhorou, permitindo, por exemplo, retomadas mais eficientes. Um diferencial para otimizar os custos operacionais em todas as condições de uso é o modo de condução econômico, acionado pela tecla ECO, no painel. Esse sistema contribui para o menor consumo de combustível.

A bordo, o Hi-Way conta com um volume de porta-objetos de 660 litros, equivalente ao porta-malas de um carro sedã. O espaço torna a vida a bordo mais agradável para o motorista que vai enfrentar rotas de longas distâncias. Outro atributo é o paralama tripartido. Em caso de acidente, o cliente só troca a parte avariada.

Ficha técnica Iveco Hi-Way 480 cv

MAN

O MAN TGX 29.480 6×4 é o modelo de maior potência da marca. De acordo com Bruno Schonhorst, gerente de marketing da VW Caminhões e Ônibus, para as operações de transporte de grãos, o TGX preferido do transportador é o equipado com motor de 480 cv com cabine leito XLX, que é a mais alta da família.

MAN TGX 29.480 6×4. Foto: Estúdio Malagrine / Divulgação

O executivo destaca ainda que a ampla faixa de torque disponível entre 1.000 e 1.400 rpm em conjunto com a transmissão de 16 marchas proporcionam ao operador o escalonamento adequado do torque. Isso ajuda a não comprometer o consumo de combustível. A relação do eixo traseiro do TGX 3,07:1, mais longa, atende a grande parte dos corredores de escoamento de grãos do País, em que há poucos trechos planos.

A cabine chama atenção por ser a única do segmento que não é curvada. Com isso, o condutor consegue trafegar melhor a bordo. No último facelift do modelo, feito em 2018, foi incorporado o farol para rodagem diurna (DRL). Seu acendimento é automático com a ignição ligada.

Ficha técnica MAN TGX 29.480 6×4

Mercedes-Benz

A marca da estrela recomenda o Actros 2651 6×4 da nova geração para a operação de grãos. Apesar de a fabricante ainda produzir o Actros da geração anterior, o caminhão atual é 12% mais econômico. E uma das exigências do transportador de grãos diz respeito à economia de combustível.

Mercedes-Benz Actros 2651 6×4. Foto: Fernando Favoretto/Divulgação

Outra demanda do segmento é a disponibilidade do caminhão. São veículos que trafegam por locais mistos, desde a fazenda para fazer a colheita até o asfalto, a caminho do escoamento.

De acordo com Marcos Andrade, gerente de produto da divisão de caminhões da Mercedes, a cabine do novo Actros, que é um projeto global, foi desenvolvida no Brasil para atender a essas peculiaridades geográficas com robustez e resistência.

Andrade chama a atenção ainda para o motor do Actros, o OM-460, que compartilha as mesmas peças do motor OM-457, que já teve mais 100 mil unidades vendidas em caminhões e ônibus da marca. Essa popularidade ajuda o transportador, que, mesmo afastado dos grandes centros, consegue com facilidade encontrar peças e mão de obra preparada para fazer qualquer manutenção.

O novo Actros é o único do seu segmento que oferece de série sistemas de segurança ativa, como o ABA de nível 5. Esse sistema freia o veículo sozinho caso “enxergue” algum objeto na pista, inclusive pedestre. O Actros é também equipado com o inédito MirrorCam, sistema de câmeras no lugar dos retrovisores laterais.

Ficha técnica do Mercedes-Benz Actros 2651

Scania

Scania R 500 6×4. Foto: Divulgação

Segundo Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania, 45% das vendas de caminhões pesados da marca são direcionadas ao transporte de grãos. A Scania oferece os modelos R 500 e R 540.

Mas, de acordo com o diretor da fabricante, o cliente tem optado mais pelo modelo de 500 cv. “Na maior parte das operações, o torque de 260 mkgf do R 500 resolve. Mas recomendamos o R 540 para aquelas atividades em que o caminhão vai tracionar nove eixos. O torque elevado de 270 mkgf oferece mais forma e performance”, explica Munhoz.

O cliente, segundo ele, exige um caminhão que seja confortável e seguro. “Quanto mais completo o caminhão for, mais o transportador consegue reter bons motoristas”, diz o representante da empresa. O caminhão da Scania é o único da categoria que oferece air bag lateral como item opcional. De série, o caminhão da marca é equipado com air bag frontal.

Ficha técnica Scania R 500 6×4

Volvo

Na fabricante, o agronegócio é o setor que responde pelo maior volume de vendas de caminhões da marca. “Calculamos que o agro demande cerca de 60% de nossa produção”, diz Clóvis Lopes, gerente de caminhões da Volvo.

Volvo FH 540. Foto: Foto: Ito Cornelsen/Divulgação

Especificamente para o transporte de grãos, o FH 540 cv 6×4 é o veículo indicado. O modelo é líder de vendas na categoria de pesados desde 2018. Uma novidade é o sistema de Aceleração Inteligente, tecnologia que proporciona economia de combustível de cerca de 10% por controlar eletronicamente a gestão do motor.

De acordo com Lopes, essa tecnologia aumentou ainda mais o espaço do FH 540 cv 6×4 no transporte de grãos, justamente devido aos benefícios que traz. No ano passado, por exemplo, foram vendidas 7.135 unidades do modelo no País.

Ficha técnica Volvo FH 540

Leia também: Agro aquece mercado de caminhões.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login