Voltar

Conteúdo original São Paulo Estadão

Mobilidade para quê?

Estresse diário e custo motivaram venda do carro e adoção da bike

Gabriela Vuolo chegava a gastar R$ 1.300 por mês com seu automóvel; depois de reformular sua rotina, ela agora economiza

Léo Martins e Sandy Oliveira

20/09/2019 - 1 minuto, 38 segundos


Gabriela Vuolo, de 37 anos, e seu filho aparecem ao lado do patinete e da bicicleta que utilizam na rotina diária.
A bacharel em Relações Internacionais Gabriela Vuolo, de 37 anos, e o filho usam bicicleta e patinete para a locomoção do dia a dia. Foto: Gabriela Vuolo

SÃO PAULO – O trânsito em São Paulo também foi o responsável por fazer Gabriela Vuolo, de 37 anos, que dirige desde os 18, deixar o carro na garagem e usar a bicicleta.

Leia mais:
Aplicativos colocam utilização de carro na ponta do lápis
Contratos de concessão podem ser dolarizados
Carro autônomo estaciona sozinho por comando de celular

“Eu levava 40 minutos para levar meu filho para a escola, que fica a cinco quilômetros de casa, no Alto de Pinheiros (na zona oeste). Passava mais tempo com ele no carro do que em casa brincando. Isso que me deu o primeiro estalo”, conta a bacharel em Relações Internacionais.

Gasolina, seguro, estacionamento, manutenção. Fora o estresse diário, conta Gabriela, o custo mensal do carro chegava a R$ 1.300. Ao colocar na ponta do lápis e contabilizar o prejuízo, ela reformulou sua vida e sua rotina.

“Mudei meu filho para uma escola em que eu levasse ele a pé ou de patinete, a um quilômetro de casa. Ele começou a ir para escola de patinete na hora do almoço e, depois, eu o pegava de bicicleta e voltávamos juntos”, afirma. “Claro que moramos em Alto de Pinheiros, bairro com calçada boa. Estamos falando de uma bolha. Isso não é viável para a maior parte das pessoas de São Paulo.”

A dificuldade de adaptação ao novo transporte, conta Gabriela, foi ter que reestruturar algumas tarefas semanais, como ir ao mercado.

“Tive que reformular o jeito de pensar nas compras. Não podia fazer muitas compras de uma vez porque não tinha como levar para casa”, afirma.

O carro? Gabriela arrumou um comprador e conseguiu vendê-lo. No dia de entregar o automóvel, deixou a chave e outra lembrança inusitada.

“Deixei uma carta no porta-luvas do carro para que ele se conscientizasse. Nela, expliquei por que da minha opção de vender o carro e disse que cada pessoa numa bicicleta na rua era um carro a menos no trânsito.”

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login