Voltar

Embaixadores

Davi Bertoncello

CEO da startup de mobilidade urbana Tupinambá.

Meios de transporte

Mobilidade gentil

Em um futuro próximo, duas das tecnologias mais revolucionárias de todos os tempos serão contemporâneas: o carro elétrico e o carro autônomo. Juntos, num só cockpit

15/09/2020 - 3 minutos, 0 segundos


carro-autonomo
Foto: Getty Images

Foi José Datrino (1917–1996), pregador urbano notório pelas suas inscrições nas pilastras do Viaduto do Gasômetro, centro do Rio de Janeiro, quem proferiu a máxima ‘Gentileza gera gentileza’, eternizada na voz de Marisa Monte em canção homônima de 2000.

Leia mais:
Summit Mobilidade Urbana 2020 já está no ar
Fantic Issimo é bicicleta elétrica 'amigável' para pedalar na cidade; assista
Renault lança empresa para facilitar recarga de elétricos e híbridos

O ‘Poeta Gentileza’ não teve oportunidade de conferir o impacto que a mobilidade trouxe ao espaço urbano ao qual tanto se dedicou: estações de patinetes em saídas de metrô, bicicletas e suas ciclofaixas, suscitando novos ares e possibilidades para a paisagem e, sobretudo, opções para a vida das pessoas.]

Outra mudança que também promete revolucionar o estilo de vida da cidade, o carro elétrico, tem trazido impacto muito além da mitigação do CO2.

Melhora na saúde dos motoristas

Todos conhecemos o termo ‘poluição sonora’, que trata do excesso de ruídos capazes de afetar a saúde física e mental das pessoas, a partir do alto nível de decibéis provenienteS das mais variadas atividades urbanas.

Ruídos do trânsito são um dos grandes vilões invisíveis e podem provocar sérios danos à audição da população. Segundo a fonoaudióloga Ana Luiza Toledo de Paula, a poluição sonora é um problema de saúde pública das ruas e avenidas das grandes cidades.

De acordo com ela, a perda auditiva induzida por ruído (Pair) é a causa mais frequente de problemas da audição e ocorre devido à exposição a ruídos acima de 85 decibéis por mais de oito horas ao dia. E acima de 60 decibéis, segundo a fonoaudióloga, os níveis de ruídos já causam stress e perda de atenção.

Continua depois da publicidade

É claro que o ronco do motor é apenas um em meio a milhões de sons da selva de pedra. Entretanto, já existem estudos demonstrando o benefício à saúde dos motoristas de carros elétricos, em face da inexistência de barulho.

Outro fator positivo é a menor trepidação desse tipo de automóvel, embora, no Brasil, esse benefício seja menos notado pela má conservação das vias.

A frota elétrica vai possibilitar incontáveis avanços ao desenvolvimento sustentável, da melhoria dos índices de saúde pública à segurança, com carros e motoristas mais inteligentes e colaborativos.

Carro elétrico, inteligente e conectado

Em fóruns de amantes da mobilidade elétrica, não são raros os depoimentos de condutores que adotaram um modelo mais defensivo e prudente na direção, seja pela nova proposta baseada na empatia e respeito ao espaço público, seja na busca da eficiência energética e consequente economia.

O carro elétrico é também um veículo inteligente e conectado que, de modo geral, já garante mais segurança se comparado à geração anterior. Hoje, realiza, sozinho, tarefas como acelerar e frear, além de se auto- orientar dentro das faixas de rodagem.

Muito embora, no Brasil, não exista previsão de adoção do carro 100% autônomo, o chamado nível 5, surgem pelo mundo notícias como o recente lançamento do carro elétrico da Sony, o Vision-S, que acaba de iniciar testes pelas ruas de Tóquio, no Japão.

Fato é que, em um futuro próximo, duas das tecnologias mais revolucionárias de todos os tempos serão contemporâneas: o carro elétrico e o carro autônomo. Juntos, num só cockpit, cortarão as cidades mundo afora, em busca da outrora utopia do Duplo Zero: zero emissões e zero fatalidades.”

Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login