Voltar
Mobilidade para quê?

Uma visão sobre o futuro da cidade

Documento analisa o estágio atual de São Paulo em vários aspectos da mobilidade e propõe prioridades para a próxima gestão

10/09/2020 - 2 minutos, 3 segundos


plano-de-mobilidade
Foto: Getty Images

Instituições da sociedade civil lideradas pela Rede Nossa São Paulo compilaram suas visões sobre como deve ser a mobilidade na maior cidade do País. O resultado é o documento “Agenda propositiva para a cidade de São Paulo – Mobilidade e clima”, planejado para fornecer subsídios aos programas de governo nas eleições municipais.

Leia mais:
Mês da Mobilidade: menos automóveis e mais alternativas sustentáveis
Mês da Mobilidade: saiba como os conteúdos serão divulgados
Novo estatuto amplia direito dos pedestres

“A ideia central é mostrar que o debate precisa ter qualidade, basear-se em estudos técnicos, dados e planos já existentes e considerar os desafios reais enfrentados pela população”, diz a coordenadora da Rede Nossa São Paulo, Carolina Guimarães.

Assinado por instituições como o Greenpeace e o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o manifesto lembra, já no título, a ligação entre a mobilidade e a emergência climática global.

O setor de transportes é responsável por 10,3% da emissão total de gases de efeito estufa no Brasil. Pessoas se deslocando em carros emitem 3,9 vezes mais poluentes por quilômetro do que passageiros de ônibus. 

Desafios reais

O documento situa o estágio em que São Paulo está em diversos aspectos e propõe metas para avançar nos próximos quatro anos. O tempo de deslocamento é um exemplo.

Hoje, as pessoas gastam, em média, 70 minutos no transporte coletivo para chegar ao trabalho e 41 minutos para chegar ao local de estudos, considerando-se apenas o trajeto de ida. A meta proposta para 2024 é reduzir esses tempos médios para, respectivamente, 54 e 30 minutos.

Outro grande foco de atenção dos gestores públicos deve ser a preservação da vida, pedem as organizações. No ano passado, a cidade registrou 849 mortes no trânsito, das quais quase 90% foram de pessoas que não estavam dentro de carros: pedestres (45%), motociclistas (38%) e ciclistas (4%).  

Risco de colisões

“Caminhar e digitar ou olhar o celular ao mesmo tempo são coisas que não combinam. Fique atento e evite acidentes”, alerta uma das frases disseminadas por cartazes e reproduzidas também por avisos sonoros nas estações de metrô. 

A ideia surgiu da constatação de que pelo menos metade das ocorrências de acidentes registradas no ano passado envolveu usuários que estavam ao celular.

Em geral são pequenos contratempos, como esbarrões e tropeções, mas há situações com maior potencial de gravidade, especialmente quando a pessoa está se deslocando pelas escadas rolantes (onde ocorreram 25% dos acidentes em 2019) ou nas escadas fixas (18%).

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login