Buscando sugestões para:


Logo
Patrocínio
Entender

Como converter o motor a combustão para GNV

Alta dos preços dos combustíveis aumenta a procura pelo gás natural veicular

2 minutos, 26 segundos de leitura

06/06/2022

motor a combustão
Foto: Getty Images

A alta nos preços dos combustíveis vem aumentando, novamente, o interesse de muitos usuários em converter o motor a combustão de seus automóveis a gás natural veicular (GNV), segmento que registra crescimento de 88,5% em 2021, segundo a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran).

A conversão traz algumas vantagens. O GNV proporciona economia – um veículo de entrada pode rodar até 12 km/m³ de gás –, funcionamento estável e baixo custo de manutenção. O problema é que o cilindro de gás ocupa muito espaço e alto custo de instalação, com valor médio de R$ 4 mil a R$ 5 mil. 

“A conversão do motor para o uso do gás natural veicular exige colocação de novos componentes, como cilindro de armazenamento, redutor de pressão, manômetro, válvula de abastecimento, filtro, tubulação e injetores”, explica o engenheiro de mecânica automotiva, Marco Barreto, coordenador do curso de mecânica automotiva da FEI. 

Ele diz que o GNV possui características diferentes dos outros combustíveis líquidos e, por essa razão, mudanças no sistema do controle do veículo são importantes para o funcionamento do motor, para evitar a perda de torque e potência.

“Como o GNV não propicia a lubrificação dos componentes, e possui temperatura final de combustão diferenciada, alguns cuidados com sistema de exaustão, lubrificante e velas devem ser observados”, diz o professor.

A primeira recomendação é verificar o estado geral do veículo, sobretudo do motor e do sistema de injeção. Um carro com problemas estruturais ou de segurança terá dificuldade na homologação da conversão. Problemas no motor ou no sistema de injeção vão dificultar o ajuste do equipamento de gás, podendo gerar falhas de funcionamento.

Para garantir uma conversão segura, faça uma revisão completa do sistema de ignição, uma vez que esse sistema é mais exigido no automóvel a gás. “Se não passar por manutenções periódicas, o veículo pode apresentar alguns problemas, como falha de ignição e estouro no coletor de admissão”, diz Barreto. 

É preciso tomar muito cuidado ao escolher a oficina que fará a conversão. Ela deve ter certificação e contar com um engenheiro responsável pela instalação. O veículo convertido para GNV precisa ser aprovado na inspeção obrigatória para obtenção do Certificado de Segurança Veicular (CSV), emitido por organismos de certificação credenciados pelo Detran.

A conversão clandestina, com uso de equipamentos irregulares, e a execução do serviço por pessoas não habilitadas causam uma série de empecilhos ao usuário, como a impossibilidade de homologação do veículo e emissão do Certificado de Segurança Veicular. Ou seja, o motorista não consegue legalizar o carro. 

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login

Espaço do patrocinador

Com Você. Sempre.

Conheça mais de nossos produtos.

VER AGORA