Patrocínio
Manter

A importância do alinhamento e balanceamento

Rodas e direção no lugar garantem segurança do veículo

2 minutos, 54 segundos de leitura

04/01/2022

alinhamento e balanceamento
Foto: Getty Images

Muita gente acha que é possível adiar o alinhamento de direção e balanceamento das rodas porque o carro “só percorre a cidade” ou “não apresenta nada de diferente no comportamento”. Contudo, ambos são procedimentos previstos no plano de manutenção dos veículos e estão diretamente relacionados à segurança.

Diego Riquero Tournier, chefe de serviços automotivos para a América Latina da Bosch, faz uma analogia interessante: “Ninguém contesta a realização de checagens periódicas nos aviões, mesmo quando nenhum piloto relata alguma anomalia, pois é questão de segurança”, observa. “Nos carros, é a mesma coisa; existem itens que devem ser verificados periodicamente.”

O técnico da Bosch ressalta ainda que nem todo mundo consegue notar quando é necessário realizar o serviço. “Então, é mais garantido manter o veículo de acordo com as instruções da montadora, que estabelece os prazos de manutenção conforme a avaliação que seus técnicos fazem dos componentes mecânicos”, diz Tournier.

“Os principais motivos que levam o carro para a oficina estão relacionados ao que chamamos de “under car”, ou seja, tudo o que está ligado à parte de rodagem (direção, suspensão, freios, pneus etc.), porque esses são os componentes que mais se desgastam devido ao contato direto com o piso”, explica o especialista. 

“Devemos lembrar que o automóvel é um dos maiores responsáveis por mortes em todo o mundo, então, precisamos ter responsabilidade na hora de colocar esses veículos de 1.500 quilos nas estradas circulando em altas velocidades.”

Muito mais que um problema de conforto

Na maioria das vezes, o sinal de alerta acende quando uma roda está desbalanceada.  Isso afeta o conforto, já que a primeira coisa que se percebe é a vibração. 

“Só que, até o motorista sentir, o problema já afetou todo o conjunto de suspensão e de direção (no caso de rodas dianteiras) e vai acelerar o desgaste de todos esses itens”, diz Tournier. “Por isso, as montadoras recomendam que se faça o balanceamento a cada 10 mil quilômetros, em média, ou sempre que o carro passar por algum buraco ou obstáculo que possa prejudicar o equilíbrio das rodas ou o alinhamento da direção.”

Tipos de balanceamento

Há basicamente dois tipos de balanceamento: com as rodas fora do carro ou instaladas no veículo. 

A diferença é que quando se faz isso na máquina, apenas os conjuntos de rodas e pneus são ajustados. Já no carro, a operação inclui componentes do eixo, da suspensão e da direção (rodas dianteiras). 

“Normalmente, o balanceamento feito fora do carro é suficiente para garantir o equilíbrio do conjunto; só quando se percebe algum problema após o balanceamento fora é que se faz a verificação com as rodas no carro a fim de conferir se o problema está no conjunto roda-pneu ou em outro sistema”, explica o especialista.

Rodas de aço estampado e de liga leve

Diego Tournier também afirma que, em tese, rodas de aço estampado e de liga leve não apresentam diferenças ou vantagens na hora de balancear, pois o procedimento é o mesmo. 

O que pode ocorrer é uma dificuldade em balancear rodas de liga leve que tenham sido mal reparadas, porque o conserto é mais complexo do que o de rodas de aço estampado. 

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login

Espaço do patrocinador

Com Você. Sempre.

Conheça mais de nossos produtos.

VER AGORA