Voltar
Meios de transporte

Combustível alternativo para caminhões é desafio no Brasil

O setor de transporte de cargas ainda é dependente do diesel. A principal alternativa viável é o gás natural

Jessica Marques

11/10/2019 - 3 minutos, 21 segundos


O gás natural pode ser obtido por meio da exploração de reservas ou de importação. Foto: iStock

O uso de combustíveis alternativos para o transporte de cargas ainda é apontado por especialistas como um desafio no Brasil. Conforme evidenciado pela greve dos caminhoneiros em maio de 2018, o setor é totalmente dependente do diesel, um combustível fóssil não renovável.

Leia mais:
Etanol é aposta enquanto elétrico não vem
Caminhões elétricos já são realidade no cenário urbano
Soluções no transporte de cargas reduzem impactos ambientais

Segundo John Paul Hempel Lima, coordenador dos cursos de engenharia da Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP), as principais alternativas ao diesel são o gás natural e o etanol, por serem fontes de energia renovável.

O gás natural pode ser obtido por meio da exploração de reservas ou de importação. Além disso, é possível produzir biogás por meio de decomposição biológica de matéria orgânica. Nesse caso, o gás é transformado em biometano, que pode ser utilizado para gerar energia.

“A gente também tem visto uma mudança de posicionamento das empresas com a chegada dos carros híbridos e elétricos, mas para o transporte de cargas isso vai demorar mais. O peso das baterias ainda é muito grande e a eficiência é muito baixa”, avalia o especialista.

Etanol vs gás natural

O uso do etanol para o transporte de cargas não é viável por conta do rendimento. De acordo com Lima, o combustível exigiria muitas paradas para abastecimento, o que afetaria a logística.

Por sua vez, o gás natural possui uma tecnologia pronta e eficiência energética satisfatória para a atividade. Essa é a visão de Marcelo Mendonça, diretor de estratégia e mercado da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás).

“O gás natural pode ser usado imediatamente. A tecnologia de armazenamento de bateria dos veículos elétricos, por sua vez, será desenvolvida nos próximos 30 anos”, afirma o diretor.

Na visão de Mendonça, o uso do gás natural demanda programas e incentivos que auxiliem na implementação desta tecnologia no setor de transporte de cargas. Uma das soluções, segundo o diretor, seria a implantação de corredores logísticos de abastecimento de caminhões nas principais rodovias do País.

Atualmente, o gás natural veicular (GNV) disponível nos postos demandaria a instalação de compressores específicos para atender a vazão do abastecimento de veículos pesados. Apenas com esses equipamentos os caminhões poderiam trocar o diesel por este combustível renovável.

Desenvolvimento de tecnologias

Apesar de ainda não haver infraestrutura suficiente para o uso do combustível no transporte de cargas do Brasil, a Scania será a primeira fabricante a ter produção de caminhões movidos a GNV, biometano ou gás liquefeito no país. O veículo já foi homologado e a expectativa da montadora é realizar a entrega das primeiras unidades em abril de 2020.

Por sua vez, a FPT Industrial trabalha há mais de 25 anos com tecnologia própria para utilização do gás como fonte de energia e informou estar preparada para a demanda que pode ser gerada no setor de transportes a partir do desenvolvimento de infraestrutura e rede de distribuição. 

No Brasil, a empresa, em parceria com a Iveco, desenvolveu veículos movidos a GNV que passaram por testes. “Os países da América do Sul têm uma enorme disponibilidade de gás natural e não existe motivo para não explorar esse mercado e trabalhar para conquistar novos clientes neste segmento”, afirma André Faria, especialista de Marketing Produto da FPT Industrial.

Com relação a caminhões elétricos, a BYD apresentou as primeiras unidades em 2015. Segundo Adalberto Maluf, diretor de Marketing, Sustentabilidade e Novos Negócios da empresa, a partir de 2020 serão lançados modelos para logística, distribuição de bebidas, mineração e construção civil. 

“Investir em combustíveis alternativos é uma questão de segurança energética para o País, contribuindo para a redução de poluentes e ruídos”, avalia.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login