Meios de transporte

Meu carro é uma tela

A corrida para transformar automóveis em “smartphones sobre rodas” está resultando em painéis digitais cada vez maiores

4 minutos, 15 segundos de leitura

09/09/2021

Por: Hairton Ponciano Voz

Mercedes EQS, novo sedã de luxo da marca alemã, tem enorme painel de vidro, de 1,41 m, que vai de uma porta a outra. Foto: Divulgação Mercedes

Assim que um novo automóvel chega às lojas, uma das principais novidades costuma ser o tamanho da tela, que, pouco a pouco, vai crescendo e ganhando novas funções. Parece ser um caminho sem volta. Se, na metade da década passada, uma central multimídia de 7” tinha um bom apelo, hoje ela não causaria o menor interesse. Atualmente, para atrair alguns minutos de atenção, o painel precisa ostentar um visor na casa de 10”.

Ainda não se sabe até onde vai essa corrida. Mas a Mercedes-Benz deu uma pista. O mais recente automóvel elétrico de luxo da marca alemã, o EQS, chegou exibindo o que a montadora chama (não por acaso) de “hipertela”, um painel de vidro, com 1,41 metro de comprimento, que se estende de uma porta a outra, e engloba três mostradores. Aparentemente, enquanto houver espaço no painel, a tendência é de expansão. O limite é o próprio carro.

A superfície de vidro curvo, com comandos sensíveis ao toque, traz informações ao motorista (numa tela de 12,3”), um amplo monitor central de 17,7” e um terceiro mostrador de 12,3” na frente do passageiro.

A tecnologia Oled, de LEDs orgânicos, possibilitou a construção da tela curva. De acordo com a fabricante, o equipamento é produzido com padrão semelhante ao de telas de celular.

Além de serem sensíveis ao toque, as telas central e direita têm atuadores (oito unidades na primeira e quatro na segunda) que vibram ao toque do usuário. O objetivo é transmitir a sensação de acionamento semelhante à do botão mecânico. Diferentes níveis de pressão alternam entre vários menus.

O passageiro pode assistir a um filme no dispositivo de streaming enquanto o motorista tem à disposição as informações referentes ao veículo e à condução em sua própria tela. E não adianta querer dar uma espiadinha no filme. Uma câmera detecta quando o condutor olha para a tela do lado direito e, nesse caso, ela escurece para impedir a distração. Caso o banco direito não esteja sendo ocupado, o visor apresenta uma imagem decorativa.

O brilho da tela é automaticamente controlado de acordo com a iluminação ambiente para evitar ofuscamento. A Mercedes informa que a superfície curva do vidro é resistente a riscos, e acrescenta que marcas de dedos são facilmente removíveis com um tecido de microfibra.

OFERTAS 0KM

Tela flutuante

Lucid Air, previsto para este ano nos EUA, tem display de 34” (86 cm) e tecnologia de resolução 5K Foto: Divulgação Lucid Motors

O Lucid Air, primeiro automóvel da startup norte-americana Lucid Motors, está previsto para chegar aos clientes nos EUA ainda este ano. Entre os vários destaques do sedã luxuoso elétrico (que pode ter até 1.080 cv) está a tela curva de vidro, com tecnologia de resolução 5K e 34” (86 cm). Ela situada instalada logo à frente do motorista e “flutua” sobre o elegante painel. Além dela, o modelo tem uma tela vertical retrátil, no centro do painel, que concentra os diversos comandos do automóvel.

O Lucid Air chega para concorrer com o Tesla Model S. E não dá para falar de carro elétrico e monitores digitais sem mencionar a marca pioneira entre os automóveis elétricos de alto volume.

Tesla Model S Plaid: visor horizontal de 17”. Foto: Divulgação Tesla

O Tesla Model S estreou, em 2012, quebrando diversos paradigmas. Além de sacudir a indústria automotiva com a propulsão elétrica, o modelo exibia uma grande tela vertical, no centro do painel, que dava acesso a praticamente todos os comandos do veículo, incluindo abertura do teto solar, por exemplo. Pois a nova versão S Plaid (capaz de gerar 1.020 cv) deu um passo adiante, ao apresentar tela horizontal de 17”. O novo monitor, maior do que a maioria dos laptops, cria um ambiente ainda mais vanguardista na companhia do volante, em formato de semicírculo, além da absoluta ausência de comandos no painel.

Se a Tesla abandonou a disposição vertical do monitor, por sua vez o Mustang Mach E apostou na receita.

Mustang Mach E, SUV elétrico da Ford, ostenta tela vertical de 15,5” e inteligência artificial. Foto: Divulgação Ford

No novo SUV elétrico da Ford (que nada tem a ver com o mítico pony car da marca), uma grande tela vertical de 15,5” incorpora a última geração do Sync, sistema de conectividade desenvolvido em parceria com a Microsoft. Da mesma forma como em celulares, pode-se personalizar a tela, movendo e ampliando ou reduzindo ícones, por meio de movimento de pinça com os dedos.

Além disso, o dispositivo incorpora inteligência artificial e é capaz de “aprender” com os hábitos do motorista. Assim, numa segunda-feira, ele pode lembrar o motorista de ir à academia se entender que isso faz parte da rotina semanal do usuário, além de sugerir algo como “ligar para casa” se aprender com o dono que a ligação é o costume diário, ao sair do trabalho.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login