Voltar
Mobilidade com segurança

Por melhor convivência entre carros e motos

Muitas vezes considerados vilões do trânsito, na verdade, os motociclistas são as maiores vítimas das colisões. Confira, a seguir, como compartilhar as vias com mais segurança

Arthur Caldeira

14/05/2021 - 3 minutos, 51 segundos


Foto: Getty Images
Os motociclistas são os que mais morrem e os que mais ficam incapacitados por acidentes no trânsito. Foto: Getty Images

Os motociclistas, percentualmente, figuram como as principais vítimas das ocorrências viárias. “Eles são os usuários mais vulneráveis das vias, os que mais morrem e os que mais ficam incapacitados em decorrência de acidentes”, escreveu José Montal, diretor da Associação Brasileira de Medicina no Tráfego (Abramet) , em recente artigo publicado no portal da entidade. E, não raramente, eles também são vistos como grandes vilões do trânsito. Embora muitos tenham atitudes imprudentes e conduzam de forma arriscada, pilotos de motocicletas nem sempre são os principais (ou únicos) culpados por colisões no trânsito.

Leia mais:
Mobilidade pacífica combina educação com boas condutas
8 novas tecnologias que ajudam a salvar vidas no trânsito
Ações contínuas geram novos comportamentos e atitudes

Diversos estudos sobre causas dos acidentes viários em todo o mundo revelam que, na prática, a teoria é outra. Uma das pesquisas mais aprofundadas sobre o tema já realizadas no Brasil, Causas de Acidentes com Motociclistas (2013), feita em parceria entre a Abraciclo, associação brasileira dos fabricantes do setor de duas rodas, e o Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas, colheu dados de 326 vítimas atendidas nas unidades hospitalares da Zona Oeste da capital paulista, em 2003. O estudo revelou que mais da metade desses acidentes foi ocasionada por automóveis (51%) e 49% por motociclistas.

Mas, em ambos os casos, o principal causador é a imprudência dos condutores (88%), conforme conclusões dos peritos. Isso demonstra que as ocorrências são resultado do comportamento inadequado tanto de motoristas quanto de motociclistas e da ineficiência na formação dos condutores.

Falta de atenção é principal problema

Nos Estados Unidos, o mês de maio, diferentemente do nosso Maio Amarelo, é voltado à conscientização sobre segurança de motocicletas, com diversas ações realizadas pela Administração Nacional de Segurança no Tráfego Rodoviário, órgão do Departamento de Transportes do governo norte-americano criado para conscientizar motoristas sobre a vulnerabilidade dos motociclistas.

Neste ano, o órgão desenvolveu uma campanha para ajudar os motoristas a entender os comportamentos de condução de motocicletas e a aprender como dirigir com segurança e compartilhar as estradas com as motocicletas. Segundo uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, as pessoas atrás do volante de um veículo de passageiro ficam 50% do tempo distraídas. Ou seja, não prestam atenção a outros agentes do trânsito, como pedestres, ciclistas e motociclistas.

Ainda de acordo com dados do órgão norte-americano, o uso impróprio de espelhos retrovisores e laterais do veículo contribui para colisões, principalmente com motocicletas. Como 40% do perímetro externo de um veículo fica oculto por pontos cegos, ajuste incorreto ou falta de uso dos retrovisores laterais também podem ter consequências terríveis aos motociclistas.

Motorista, fique atento

Com o lema “Compartilhe a Estrada”, o órgão norte-americano criou algumas dicas para motoristas conviverem pacífica e seguramente com motociclistas. Confira algumas recomendações:

• Se entrar em um cruzamento e sua visão estiver obstruída, espere até que possa ter visão melhor e fazer uma varredura completa de todos os usuários da via, como pedestres, ciclistas e motociclistas. Depois, prossiga com cuidado.

• Como motos são menores que a maioria dos veículos, podem ser difíceis de ver. Seu tamanho também faz com que outros motoristas calculem mal velocidade e distância.

• O tamanho também joga contra as motos quando se trata de pontos cegos. Motociclistas podem ser facilmente escondidos no ponto cego de um veículo. Fique sempre atento às motos, verificando retrovisores e pontos cegos antes de mudar de faixa.

• Não se deixe enganar pela seta de uma moto. Ela não desliga automaticamente e o motociclista pode ter esquecido ela ligada. Espere para ter certeza de que ele fará uma curva antes de continuar.

• Deixe uma boa distância (três ou quatro segundos) ao andar atrás de uma moto. Isso dá ao motociclista mais tempo para manobrar ou parar em caso de emergência. Eles podem, repentinamente, precisar reduzir a velocidade ou escapar de buracos, pedras, superfícies escorregadias ou sulcos no asfalto.

• Sempre sinalize suas intenções antes de mudar de faixa ou entrar em uma via. Isso permite ao motociclista antecipar seus movimentos e encontrar uma posição segura. Fonte: Administração Nacional de Segurança no Tráfego Rodoviário (EUA).

Saiba mais:

* Motociclistas têm 4 vezes mais chance de se ferir em colisões de trânsito do que motoristas;

* 50% do tempo em que estão atrás do volante, as pessoas ficam distraídas;

* Cerca de 40% do perímetro externo de um carro fica escondido em pontos cegos dos retrovisores.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login