Voltar
Mobilidade para quê?

“A scooter me fez ganhar três horas no meu dia”

Edson Pereira perdia duas horas no trânsito e agora leva 30 minutos até o trabalho. Com o tempo livre, ele voltou a estudar.

Da Redação

18/10/2019 - 2 minutos, 2 segundos


Homem em cima de uma moto

Leia mais:
Covas chama operadores de patinete para cadastro, mas empresas pedem novas regras
Explore a cidade com uma scooter
Live discute papel de motos e scooters na mobilidade urbana nesta quinta-feira

Todos os dias, Edson Pereira dos Santos, 41 anos, passava duas horas dentro do carro no deslocamento entre a sua casa, em Perus, na zona norte da cidade de São Paulo, até a gráfica onde trabalha, na região da Avenida Pacaembu, na zona oeste da capital paulista. Cansado do tempo perdido dentro do carro, há cerca de dois anos resolveu comprar uma scooter. O modelo escolhido foi a PCX 150, da Honda. A scooter trouxe tantos benefícios para a sua vida que, no início de 2019, trocou por um modelo da nova geração: a PCX DLX 2019. A seguir, Edson relata como se locomover de scooter mudou sua vida.

“Eu precisava acordar muito cedo todos os dias para ir ao trabalho. Com o trânsito engarrafado, no horário do rush da manhã, eu levava cerca de duas horas para ir da minha casa até a gráfica. Ao todo, passava quatro horas diariamente dentro do carro. Era um tempo perdido. Isso sem falar nos gastos com combustível. Gastava entre R$ 1.000 e R$ 1.200 de gasolina todos os meses. Foi quando decidi procurar um meio de locomoção mais rápido, prático e econômico para ir trabalhar. 

A scooter é fácil de pilotar e eu ainda ganhei três horas no meu dia. Passei a levar 30 minutos de casa ao trabalho. Gostei tanto que, no início deste ano, troquei o modelo antigo pela nova PCX DLX. Mais bonita do que a anterior, a nova DLX tem freio ABS, que evita que a roda trave numa freada repentina, e a suspensão trouxe mais conforto para encarar as ruas de São Paulo. 

OFERTAS 0KM

Eu encho o tanque uma vez por semana e gasto cerca de R$ 30, ou seja, R$ 120 por mês. Estou economizando, em média, mais de R$ 1.000 mensalmente. Com esse dinheiro, comprei a scooter nova e também voltei a estudar. Quando saio do trabalho, consigo chegar a tempo no curso de técnico em radiologia, na zona oeste da capital. 

Além de ganhar tempo e economizar dinheiro, peguei gosto pelas scooters: ando com a minha mesmo no final de semana. Vou passear com a minha esposa, vou ao mercado. Ela tem um motor de 150 cilindradas, que tem bom desempenho para levar garupa. 

Andar com uma scooter melhorou muito minha vida no dia a dia. Não troco ela por nada. Só por outra scooter.”

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login