Mobilidade para quê?

Como funciona o fretamento colaborativo?

Modelo lançado pela Buser revolucionou o transporte rodoviário no Brasil. Se você ainda tem dúvidas, leia este texto!

2 minutos, 51 segundos de leitura

06/11/2021

canal da buser

A Buser chegou ao mercado, há quatro anos, para revolucionar as viagens rodoviárias no Brasil. E desde então não para de conquistar novos adeptos. Já são 4,5 milhões de clientes, sendo cerca de 400 mil passageiros transportados por mês, interligando mais de 500 cidades de todas as regiões do País. 

Esse rápido sucesso se explica pelo custo atraente, até 60% menor em relação às linhas de ônibus tradicionais, sem abrir mão de conforto e segurança. Ao contrário. Os ônibus da Buser contam com recursos como a telemetria – para assegurar que o limite de velocidade não será ultrapassado em momento algum – e câmeras de fadiga, que identificam automaticamente sinais de cansaço no motorista. 

A combinação entre redução de custo e alto padrão de qualidade só é possível porque a tecnologia utilizada pela Buser tornou o transporte muito mais racional e eficiente. No centro dessas conquistas está o conceito de fretamento colaborativo. Já ouviu falar dele?

O princípio é simples e fácil de entender: no fretamento tradicional, o mesmo grupo de pessoas precisa ir e voltar de um determinado ponto para outro. No fretamento colaborativo, não há essa necessidade, pois a tecnologia permite que desconhecidos se reúnam e compartilhem uma viagem para o mesmo destino.

Seleção rigorosa

É isso que a Buser proporciona, com muita praticidade: a conexão entre quem deseja viajar e empresas de fretamento devidamente registradas e regularizadas para oferecer o serviço. 

Para essas parceiras da Buser, as vantagens são imensas. Uma delas é que o ônibus não precisa ficar parado por dias à espera do retorno do mesmo grupo, como ocorria no fretamento convencional. Assim, com mais eficiência na utilização da frota, é possível cobrar preços menores pelas viagens. 

Os parceiros são selecionados cuidadosamente pela Buser. “Nossa avaliação é ainda mais rigorosa que as exigências legais”, conta o cofundador Marcelo Vasconcellos. “Vamos até a sede da empresa, conhecemos o proprietário e avaliamos cuidadosamente cada ônibus”, descreve. 

Enquanto as leis estaduais permitem a circulação de veículos com até 20 anos de fabricação, o limite estabelecido pela Buser é de 10 anos – a média atual da frota é de seis. Além do mais, o desempenho dos parceiros é avaliado pelos passageiros, que podem dar notas e fazer comentários, o que ajuda a Buser a aprimorar os serviços e auxilia outros usuários nas futuras decisões de compra.

Democratização do transporte

A regra do “circuito fechado” – que determina que o ônibus fretado transporte o mesmo grupo de passageiros na ida e na volta – continua sendo exigido em alguns estados para o serviço de fretamento, impactando, de certa forma, um crescimento ainda maior da Buser em todo o País. 

Esse tipo de resistência, que representa grande atraso na adaptação da legislação e da regulamentação às novidades tecnológicas, costuma ocorrer toda vez que uma inovação chega e revoluciona um setor. Foi o que ocorreu, por exemplo, com aplicativos de transporte individual, como Uber e 99. 

A ampla adesão dos passageiros à Buser é um forte indicativo, no entanto, de que a solução não só é aceita pela população como é vista como benéfica, além de impulsionar o turismo e democratizar o transporte em todas as regiões brasileiras.

infográfico da buser

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login