Voltar
Meios de transporte

Vale a pena usar bicicletas alugadas para trabalhar como entregador?

Gastos com manutenção do equipamento deve ser computado por profissionais que pensam em alugar bicicleta para trabalhar

Danielle Blaskievicz

25/11/2019 - 3 minutos, 4 segundos


Bicicletas Alugadas - Entregador de aplicativo pedalando em uma via pública
Nos últimos dois anos as ofertas de trabalho para entregadores cresceram significativamente. Foto: iStock

O bikeboy ou bike courrier – o entregador de encomendas ou de serviços delivery com modais como as bicicletas e os triciclos – nas cidades brasileiras não chega a ser uma novidade. A profissão é bastante antiga e parecia ameaçada de extinção graças à concorrência com os motoboys. 

Leia mais:
Saiba onde alugar patinete elétrico em São Paulo
Quanto ganham os motoboys de aplicativo
Covas chama operadores de patinete para cadastro, mas empresas pedem novas regras

Nos últimos dois anos, no entanto, as ofertas de trabalho para esse profissional cresceram significativamente e hoje ele tem papel importante na cadeia logística das empresas. A demanda é tanta que, em algumas localidades, é mais interessante trabalhar com bicicletas alugadas do que perder a oportunidade de trabalho.

Segundo o diretor e fundador do Instituto Aromeiazero, Murilo Casagrande, o retorno financeiro para quem pensa em alugar uma bicicleta para trabalhar como entregador precisa ser analisado individualmente. A resposta depende da forma como o profissional faz a manutenção do equipamento. 

Casagrande comenta que esse é um cálculo que poucos profissionais fazem. No entanto, alerta que é necessário reservar pelo menos R$ 50 mensais para a manutenção básica da bicicleta. Caso contrário, em pouco tempo ela estará inutilizada. Em outra conta, o diretor do instituto lembra que em muitas cidades é possível alugar uma bicicleta por uma mensalidade de R$ 20, como é o caso da Bike Itaú, que opera em cinco capitais brasileiras – São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Porto Alegre (RS) e Recife (PE).

Outras empresas de aluguel de bicicleta com atuação nacional informam apenas o valor da locação por período, mas o valor médio da hora é de R$ 15. A Yellow Bike, que está em 15 cidades, afirma não ter um levantamento do perfil dos usuários. Também não divulga o número de viagens, por razões estratégicas. Mas a empresa, dona das marcas Grin e Yellow, informa que desde o início das operações na capital paulista, em 2018, o número de corridas de bikes na cidade cresceu 13% ao mês.

Vagas para entregadores aumentam

O Instituto Aromeiazero tem como proposta utilizar as bicicletas como ferramenta de promoção social e de melhoria de qualidade de vida para as pessoas. Em parceria com instituições públicas e privadas, o instituto realiza o Viver de Bike, um curso para quem quer usar a bicicleta como oportunidade de trabalhar e empreender. Aqueles que concluem as aulas práticas e teóricas – 60 horas de aula que incluem planejamento de negócios, empreendedorismo e formação em mecânica de bicicleta – ganham sua própria bicicleta “como diploma”.

O aumento de vagas para bike courrier está diretamente relacionado ao crescimento do comércio eletrônico no Brasil. E isso em todos os setores econômicos, não apenas no delivery de comida. Este ano, o faturamento global das empresas que atuam com e-commerce no Brasil deve ultrapassar R$ 61 bilhões, crescimento 12% superior ao ano passado, de acordo com as estimativas da Ebit/Nielsen. 

No entanto, um dos pontos críticos do e-commerce é a cadeia logística. De acordo com a pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro, da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) em parceria com a ComSchool, o frete permanece como o maior responsável pelos custos logísticos, com participação de 65,9%. 

E a melhor forma de reduzir essas despesas é investindo em modais rápidos e de baixo custo, principalmente nos centros urbanos, onde o trânsito é um dos desafios para a entrega no prazo. É nesses locais que o entregador de bicicleta chega mais rápido do que o carro ou o caminhão e custa menos do que o motoboy. Além de não representar impacto ambiental ao já poluído centro urbano.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login