Na Perifa

Caminhos para atravessar a crise: empreendedorismo feminino

Mãe e filha criam ateliê de costura e conseguem pagar as contas e não deixar faltar alimento em casa

2 minutos, 17 segundos de leitura

25/10/2021

Por: Carla Costa e Cássio Miranda, Periferia em Foco

empreendedorismo feminino
Empreendedoras negras são as mais afetadas pela crise econômica. Ilustração: Getty Images

Uma entre milhões de brasileiras afetadas pela pandemia, Ruth Helena Costa, de 44 anos, vive no bairro Águas Lindas, na região metropolitana de Belém (PA). Com a perda do trabalho formal – ela e a filha, Carla Venancia, de 25 anos, foram demitidas de seus empregos de babá –, a família precisou buscar formas de ganhar dinheiro.

Enquanto não empreendia, Ruth fez o possível para não faltar nada em casa, até vendeu abacates do próprio quintal. Mas em agosto de 2021 elas abriram a Crioulas Prendadas, um ateliê de costura e consertos em moda feminina e infantil.

Carla tem dois filhos e conta que teve alguns direitos trabalhistas não pagos no antigo emprego. “Recebi auxílio emergencial e agora estou me reinventando com costura, já que sei mexer e tenho experiência nisso”, diz.

O negócio ainda está nos primeiros meses, mas segundo Ruth tem ajudado a manter a família. “Consigo pagar a parcela do maquinário investido”, diz. “Torcemos para que esse trabalho dê certo, não só o nosso, mas os de outras mulheres que têm se reinventado e buscam uma qualificação profissional.”

MULHERES NEGRAS
São as empreendedoras mais afetadas pela crise atual

  • 29% dos pequenos negócios parados por causa da crise são liderados por mulheres negras
  • 27% delas têm dificuldade de funcionar de forma virtual
  • 25% tiveram crédito bancário negado em razão do CPF negativado

Fonte: Sebrae e Fundação Getúlio Vargas

BRASIL

  • 24,8 milhões de trabalhadores por conta própria
  • 35,6 milhões de trabalhadores informais, ou 40% da população ocupada

Fonte: Sebrae e Fundação Getúlio Vargas

Possíveis soluções

Em 2020, a Oxfam, organização da sociedade civil dedicada ao enfrentamento da fome e da desigualdade, publicou o relatório Dignidade, Não Indigência. “O mundo precisa aprender com a crise financeira de 2008, quando governos resgataram bancos e grandes empreendimentos enquanto pessoas comuns pagaram com uma década de austeridade econômica, com cortes de gastos em serviços públicos, como saúde e educação”, diz um dos trechos do documento (…).

E mais: “A fortuna dos bilionários dobrou nos 10 anos seguintes, enquanto os salários dos trabalhadores praticamente não aumentaram. Pacotes de resgate financeiro podem ser uma oportunidade para mudar permanentemente os incentivos e modelos de negócios. Com isso, é possível ajudar a promover uma economia mais humana e sustentável, na qual os trabalhadores sejam tratados de maneira justa.”

Outras alternativas apontadas para conter a crise são a adoção de impostos emergenciais de solidariedade e a suspensão e o cancelamento de dívidas, sobretudo nos países mais pobres e com alta taxa de desigualdade social, caso do Brasil.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login