Buscando sugestões para:


Na Perifa

Cultivo de açaí sustenta pequenos agricultores no Pará

A planta é versátil, o fruto faz bem à saúde e a produção artesanal é a principal fonte de renda de muitas famílias

4 minutos, 38 segundos de leitura

05/04/2022

Por: Carla Costa e Cássio Miranda, Periferia em Foco

Açaí fresco: fruto precisa ser tratado em até 48 horas após a colheita. Foto: Getty Images

O açaí é um fruto típico da região amazônica e alimento diário na mesa paraense. Sua polpa é saborosa e rica em vitaminas e diversas famílias vivem do plantio, da colheita e da venda desse fruto. É o caso do agricultor Everaldo Ferreira Paixão, de 46 anos. Ele mora em Magalhães Barata, a 165 quilômetros de Belém, e possui um terreno em Marapanim. Nesse sítio, a duas horas de sua casa, ele trabalha com açaí roxo e dele obtém o açaí batido, para vender, de forma artesanal.

O dia preenchido pelas viagens e a lida começa bem cedo e o processo de produção e manejo, como ocorre com outros produtos da terra, tem suas peculiaridades. “Depende da adubação e não se retira tudo de uma vez, e sim no processo de amadurecimento”, diz o Everaldo. “Vassouras [galhos ou talos onde ficam os frutos] são utilizadas como adubo no pé da planta.” Durante todas as etapas, e até obter um açaí batido de qualidade, os cuidados com higiene, controle de pragas, acondicionamento e transporte são fundamentais.

Foi trabalhando em lavoura com seus familiares que Everaldo aprendeu a plantar açaí, mas fez também alguns cursos sobre conservação, proteção ambiental e exploração consciente do fruto. Esses conhecimentos, afirma, ajudaram a melhorar o seu trabalho.

Durante a safra, geralmente de agosto a novembro, Everaldo vende o vinho do açaí (o açaí batido) na mesma região em que mora. Na alta temporada o litro do produto, conhecido como Açaí do Everaldo, sai a R$ 8 para o consumidor final. Em outros períodos chega a R$ 12.

Além de ser fonte de sustento de famílias de agricultores rurais no interior do Estado, o açaí traz benefícios à saúde. “É uma excelente fonte de energia para praticantes de atividade física, auxilia na digestão e regulação dos níveis de colesterol, protege o coração e melhora a circulação sanguínea, combate o envelhecimento e ajuda a prevenir doenças degenerativas”, reforça o nutricionista Helton Leão.

VINHO DO AÇAÍ

O fruto do açaizeiro precisa ser tratado em até 48 horas depois da colheita, porque se deteriora muito rápido. Por questões sanitárias e diretamente relacionadas com a saúde das pessoas e a qualidade do alimento, os frutos exigem cuidados extremos de higiene, acondicionamento e transporte. Embora tenha esse nome, o chamado vinho de açaí é na verdade o produto pronto para consumo e não se trata de uma bebida alcoólica ou de consistência super líquida, como seria um suco de fruta. O açaí batido, base da alimentação na região norte do País, é cremoso.

Apoio aos produtores — Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), informam que o plantio de açaí em terra firme exige cuidados e que o órgão oferece todas as orientações para o agricultor, desde o preparo do solo e do projeto de irrigação, passando pela seleção de sementes e mudas de alto potencial genético e boas práticas de espaço, adubo e manejo. No site da Embrapa tem um curso online gratuito para aprimorar as técnicas.

PASSO A PASSO

1. Depois da colheita, o fruto é escolhido e lavado com água corrente para retirar sujeiras, cascas e galhos;
2. Em seguida, os caroços são colocados em caixas plásticas ou contêineres e mergulhados em água quente a 80º e vão para outro recipiente em água à temperatura ambiente por vinte minutos. O choque térmico é importante para matar germes e evitar a contaminação do barbeiro, um bicho comum em plantações de açaí, que provoca a doença de Chagas;
3. Após essas etapas, os frutos vão para a máquina de bater, a chamada despolpadeira, e assim começa a extração da polpa do fruto do açaí (açaí batido ou vinho de açaí) para o consumo.

No Brasil, praticamente toda produção de açaí se concentra nos estados da região norte (92%) e entre eles o Pará é responsável por mais de 90% — cerca de 50 empresas comercializam mais de 1,2 milhão de toneladas, de acordo com o Sindicato das Indústrias de Frutas e Derivados (Sindfrutas). Do total produzido, 60% fica no Pará, 35% segue para outras regiões do País e 5% é exportado, sobretudo para os Estados Unidos.

CURIOSIDADES

*O açaizeiro fornece um cobiçado palmito que também é fonte de alimentação e renda
*Os caules do açaizeiro são usados em construções
*As folhas servem para fazer esteiras
*As fibras dos caroços são usadas na produção de móveis
*Os caroços (parte que guarda a semente e é envolvida pela polpa do fruto) dão origem a adubos orgânicos e carvão vegetal
*Os caroços também são aproveitados no artesanato
Fonte: Açaí Seguro (Embrapa)


De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login