Inovação

7 tecnologias avançadas presentes nos carros eletrificados

Dispositivos e eletrônica embarcada aumentam interatividade e segurança dos automóveis com propulsão elétrica e híbrida

8 minutos, 37 segundos de leitura

18/05/2021

Por: Mário Sérgio Venditti

Audi_farol
Os faróis Full LED Digital Matrix dividem a luz em pequenos pixels, aumentando a precisão da iluminação, e orientam melhor o motorista na estrada. Foto: Divulgação Audi

Retrovisores que agora são câmeras, centrais multimídia cinematográficas, baterias com maior autonomia… A cada lançamento, os automóveis eletrificados trazem sistemas avançados que os tornam cada vez mais tecnológicos, seguros e interativos.

“O carro elétrico tem um papel de inovação industrial”, afirma Adalberto Maluf, presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE). “Ele será o centro da tecnologia do futuro e vai substituir o telefone celular. Tudo estará dentro dele.” Maluf destaca que a maior parte do valor do veículo eletrificado é composta por eletrônica embarcada, e não mais por aço e metal. “A indústria automotiva brasileira ainda é baseada em aço, plástico e outros componentes. Lá fora, é diferente. É a tecnologia que dita o ritmo da produção”, revela.

O resultado são automóveis importados para o mercado brasileiro altamente equipados com sistemas que facilitam a vida do motorista. Confira, a seguir, sete tecnologias presentes em alguns modelos, a maioria vendida no País.

1 – Faróis Full LED Digital Matrix

Uma das mais avançadas tecnologias de iluminação é a de faróis Full LED Digital Matrix, presentes no Audi e-tron Sportback. O conjunto inova com funções que permitem dividir a luz em pequenos pixels, oferecendo extrema precisão. Ao ligar e desligar o automóvel, os faróis projetam na parede ou no chão uma assinatura animada e personalizada, que contém a palavra “e-tron”.

Na estrada, os faróis destacam e se ajustam à largura da faixa e projetam pequenas setas no piso logo à frente do veículo, melhorando a referência do motorista. Uma das características do Digital Matrix é identificar a presença de pedestres na beira da via, jogando o foco de luz na área onde ele está para melhorar sua visibilidade em ambientes mais escuros.

Mais uma vantagem dos faróis é acompanhar os próximos metros da estrada, a fim de iluminá-los de forma antecipada e dinâmica, aumentando a segurança dos ocupantes do carro.

2 – Retrovisores virtuais

Outra tecnologia do modelo elétrico da Audi são os retrovisores externos virtuais, que substituem os tradicionais espelhos. O equipamento trabalha com câmeras, nas quais as imagens externas são processadas digitalmente e exibidas nos monitores internos laterais de 7 polegadas, com tecnologia Oled de 1.280 por 800 pixels.

Quando o motorista passa o dedo sobre a tela sensível ao toque, símbolos são ativados para mover a imagem e ajustar o ângulo desejado. Os retrovisores virtuais oferecem qualidade superior em várias situações, como reflexo direto da luz solar, nitidez para visão noturna e não embaçar em dias chuvosos. De quebra, esses dispositivos ajudam na eficiência aerodinâmica do carro, levando ao aumento de autonomia da bateria.

3 – Tração com dois motores elétricos

Nova tecnologia de controle de tração integral com dois motores elétricos, chamada de e-4orce, equipa o Nissan Ariya. Ela proporciona torque instantâneo para as quatro rodas, entregando uma potência mais equilibrada. “A tecnologia e-4orce de controle da tração integral com dois motores elétricos dá mais estabilidade e dirigibilidade precisa”, assinala Pedro Bentancourt. “Ela refina a performance nas curvas e em superfícies escorregadias. Como o torque é instantâneo, o carro vai subir até parede.”

O e-4orce nasceu com base no desenvolvimento da distribuição de torque Attesa E-TS, do esportivo Nissan GT-R, e do sistema 4×4 inteligente, do SUV Patrol. Os engenheiros da fabricante japonesa criaram a e-4orce para gerenciar especificamente a potência entregue pelo veículo elétrico e o desempenho nas frenagens.

A tecnologia minimiza a inclinação e a guinada do veículo, graças à frenagem regenerativa dos motores elétricos dianteiro e traseiro. Quando o carro acelera ou anda em pista esburacada, o controle do motor elétrico de altíssima precisão é otimizado para manter o conforto da condução, absorvendo os movimentos irregulares.

4 — E-Pedal

A Nissan inovou ao instalar, no Leaf, o conceito do e-Pedal. Na prática, o sistema é bem simples: basta o motorista tirar o pé do acelerador para que o carro comece a perder velocidade aos poucos até parar completamente, sem a necessidade de pisar no pedal do freio. Trata-se de um recurso muito útil quando o condutor observa, lá na frente, a lentidão do trânsito por causa de um semáforo vermelho, por exemplo.

Com o e-Pedal, o motorista consegue fazer até 90% das ações comuns durante uma condução. Ao enfrentar percursos mais longos ou trânsito congestionado, ele reduz consideravelmente a necessidade de acionar mais de um pedal.

“Além disso, a ação de tirar o pé do acelerador ajuda a regenerar a carga da bateria”, afirma Pedro Bentancourt, diretor de assuntos externos e relações governamentais da Nissan. Segundo o executivo, quem dirige o Leaf pela primeira vez não leva mais do que cinco minutos para se familiarizar com o funcionamento do e-Pedal. “Quando se acostuma, o motorista praticamente deixa de usar o freio”, garante.

Se o e-Pedal for insuficiente para uma parada repentina, entra em ação o sistema anticolisão, que opera por meio de radares e câmeras. Se o automóvel da frente diminuir a velocidade, o Leaf também reduzirá sozinho. Se o motorista der a seta e mudar de faixa, o carro da Nissan retomará a velocidade anterior instantaneamente, desde que não haja nenhum obstáculo adiante.

5 – MBUX Hyperscreen

Se a tecnologia MBUX (Mercedes-Benz User Experience) já é uma evolução no tocante às centrais multimídia, o que dizer, então, do MBUX Hyperscreen? Destaque do recém-lançado Mercedes EQS, ele transporta o cinema para dentro do carro. A unidade é formada pela grande tela curvada de 141 centímetros de largura com iluminação Oled, que ocupa toda a extensão do painel, entre as colunas A do modelo.

Além do tamanho impressionante, a alta resolução e o design high-tech não passam despercebidos. Dotado de inteligência artificial com software capaz de guardar informações, o display se adapta completamente ao usuário, oferecendo sugestões personalizadas a funções de entretenimento e conforto e do funcionamento do veículo.

Esqueça dos comandos de voz e pesquisas em menus. No MBUX Hyperscreen, as aplicações mais importantes são feitas de maneira proativa, de acordo com a situação vivida pelo consumidor. O sistema conhece o cliente continuamente e disponibiliza uma oferta personalizada de entretenimento e operações, antes que ele precise clicar ou pesquisar em qualquer lugar. “O MBUX Hyperscreen é, a um só tempo, o cérebro e o sistema nervoso do carro”, define Sajjad Khan, diretor técnico da Mercedes-Benz AG.

O passageiro dianteiro tem seu próprio display, deixando as viagens mais agradáveis e divertidas. Mas as funções de entretenimento só entram em ação se atenderem à legislação de trânsito de cada país. Se o banco do passageiro não estiver ocupado, a tela torna-se uma peça digital meramente decorativa.

As mais de 20 funções – como programa de massagem ativa, alertas de aniversários e lista de sugestões – são entregues automaticamente com a ajuda da inteligência artificial. O usuário pode aceitar ou rejeitar qualquer sugestão com apenas um clique. Quer um exemplo? Se, no inverno, o motorista usa regularmente a função de massagem, o sistema memoriza esse comportamento e sugere automaticamente a função de conforto em baixas temperaturas.

6 – Bateria com mais autonomia

Muito se fala que as futuras baterias dos veículos elétricos serão menores e com maior poder de armazenar energia. A Mercedes-Benz já trilha nesse caminho. O sistema de bateria de íon-lítio do EQS pode ser equipado de forma flexível com células em bolsa ou caixa rígida. Isso permite a execução de diferentes variações de alcance e desempenho, sendo possível obter autonomia de 770 quilômetros com a carga completa.

A nova geração de baterias com maior densidade energética tem 107,8 kWh, ou seja, 26% mais do que o Mercedes EQC 400 4Matic. O pacote de 10 ou 12 módulos é instalado com diferentes tipos de células, um grande passo em termos de sustentabilidade da química celular. O material ativo consiste em níquel, cobalto e manganês, em uma proporção que reduz a utilização de cobalto para menos de 10%.

A Mercedes também criou um sistema de segurança destinado à operação diária. Ele inclui o monitoramento contínuo de temperatura, tensão ou isolamento. Em caso de risco iminente, a bateria é automaticamente desligada.

7 – Pilot Assist

O Pilot Assist, aliado ao controle de cruzeiro adaptativo (ACC), mantém a velocidade do carro e uma distância predefinida do veículo da frente, corrigindo a direção para deixá-lo sempre na faixa de rodagem. O sistema, que equipa o híbrido Volvo XC60, interage com o motorista, mas não a ponto de realizar manobras. Quando o ícone do volante aparece no painel, é porque o Pilot Assist está prestando assistência de direção. O símbolo cinza significa que a assistência foi interrompida.

O Pilot Assist não é capaz de interpretar todas as situações de trânsito e a função pode alternar entre inativa e ativa, sem aviso prévio. Caso o sistema detecte que o motorista não está com as mãos no volante, uma advertência soará e uma mensagem de texto será exibida no visor.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login