Voltar

Conteúdo original São Paulo Estadão

Meios de transporte

Ciclistas reclamam de ciclofaixas apagadas e sem sinalização em São Paulo

Prefeitura diz que iniciou obras de requalificação e que programa não será desativado; plano de metas do Município prevê criação de 173 km de conexões entre ciclofaixas até 2020

Renata Okumura

11/09/2019 - 3 minutos, 42 segundos


Com ausência de ciclovias, ciclista disputa espaço com carros e motocicletas em ladeira.
Ciclistas que utilizam ciclofaixas na capital paulista foram surpreendidos com a ausência da faixa destinada às bicicletas em ruas e avenidas da cidade. Foto: Daniel Teixeira/ Estadão

SÃO PAULO – Ciclistas que utilizam ciclofaixas na capital paulista foram surpreendidos nos últimos dias com a ausência da área destinada às bicicletas em ruas e avenidas da cidade. A Prefeitura informou que iniciou obras de requalificação e que o programa não será desativado. Após a aplicação do novo asfalto, as ciclofaixas ganharão nova pintura.

Leia mais:
Plataforma promove mobilidade urbana disruptiva
Medo faz parte da rotina feminina nas cidades
Compartilhamento de bikes incentiva participação feminina

Dos 503,6 km de infraestrutura cicloviária, 310 km passarão por obras. Além disso, o plano de metas do Município prevê a criação de 173 km de conexões entre ciclofaixas até 2020.

Quem utiliza a ciclofaixa da Rua Artur de Azevedo, em Pinheiros, na zona oeste da cidade, relata os riscos com a falta de sinalização.

O ciclista Luiz Felipe Silva dos Santos, de 25 anos, que utiliza a bike para realizar entregas para uma farmácia da região, precisou desviar de carros. Na segunda-feira, 9, muitos veículos estavam transitando pela faixa que havia sido asfaltada.

“Colocaram asfalto e apagaram a ciclofaixa. Na segunda, quando cheguei na Rua Artur de Azevedo, dividi espaço com os carros. Foi perigoso. Não havia cones e nem sinalização”, reclamou.

O Estado observou na terça-feira, 10, cones entre as Ruas Henrique Schaumann e Fradique Coutinho. Assim, mesmo sem a pintura, ciclistas conseguiram utilizar a ciclofaixa asfaltada.

No entanto, após esse trecho, sem cones e sinalização, carros invadiam a faixa recapeada.

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT), por meio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), informou que iniciou obras de requalificação nas seguintes ciclofaixas da cidade de São Paulo:

  • Ciclofaixa George Corbisier – Jabaquara
  • Ciclofaixa Bosque da Saúde – Vila Mariana
  • Ciclofaixa Saúde e Aratãs – Vila Mariana
  • Ciclofaixa Jupatis – Jabaquara
  • Ciclofaixa Artur Azevedo – Pinheiros
  • Ciclofaixa Gomes de Carvalho – Pinheiros
  • Ciclofaixa Jaguaré (Rua Antônio S. Noschese) – Lapa
  • Ciclofaixa Corifeu de Azevedo Marques – Lapa
  • Ciclofaixa Alameda Nothmann – Centro
  • Ciclofaixa Parque Novo Mundo – Vila Guilherme

Ainda de acordo com a Prefeitura, a requalificação prevê raspagem do asfalto antigo e a aplicação de uma nova camada asfáltica.

“Após o recapeamento será implementada a nova sinalização, que prevê pintura em vermelho aplicada apenas na aproximação das travessias, proporcionando maior atenção dos ciclistas aos cruzamentos”, destacou em nota.

Segundo a Prefeitura, após pintura com o novo padrão de sinalização, serão instalados tachões a cada metro, para garantir mais segurança aos usuários.

Cobranças

Santos conta que observa diariamente problemas nas ciclofaixas. “No Alto de Pinheiros, há buracos e muitos estão com a pintura apagada. Além disso, algumas árvores invadem a via e batem em nossas cabeças. Há ainda locais que deveriam, mas ainda não têm ciclofaixas”, disse.

Atualmente, a cidade conta com 503,6 km de infraestrutura cicloviária.

Desse total, 310 km passarão por obras, conforme o plano de metas da prefeitura, que prevê ainda a criação de 173 km de conexões.

O pintor Israel Wallace, de 50 anos, frequenta a região há 16 anos e critica a ausência de sinalização.

Uma faixa informando a realização da obra na via foi colocada somente na terça-feira, 10. O recapeamento foi feito no domingo, 8.

“A mudança começou, mas ninguém informou com antecedência. Na segunda-feira, quem utiliza a ciclovia com frequência precisou andar entre os carros. A Prefeitura colocou cones na terça, mas dá para ver que alguns já foram derrubados pelos carros”, ressaltou.

O engenheiro Leopoldo Espírito Santo, de 58 anos, avalia que corredores como o da Faria Lima e da Berrini são bem estruturados. “Todas as ciclovias deveriam ser desta forma. Bem sinalizadas e com pouco contato com carros. O ciclista anda tranquilamente”, disse.

Questionada sobre a falta de aviso, a Prefeitura afirma que as vias que passam por requalificação de suas ciclofaixas recebem faixas informando sobre as melhorias em curso.

O consultor em mobilidade urbana e autor do Blog São Paulo na bike do Estadão, Alex Gomes, afirma que a Prefeitura também retirou o asfalto da ciclofaixa da Alameda Northmann, na região central.

“Muitas mães levam crianças de bicicleta nessa região para a creche. Faz alguns dias que passei pelo local. Sem sinalização e asfalto, o risco de queda é ainda maior. Desta forma, os ciclistas ficam desamparados”, avaliou.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login