Voltar
Meios de transporte

Explore a cidade com uma scooter

Que tal aproveitar para (re)descobrir algumas atrações turísticas de São Paulo? Melhor ainda se for a bordo de uma scooter de 150 cilindradas, um veículo rápido, econômico, fácil de pilotar e prático

Artur Caldeira

24/01/2020 - 8 minutos, 45 segundos


A Honda PCX 150 foi criada para driblar o trânsito das grandes cidades

Leia mais:
Aceleradora da Estação Hack, do Facebook, anuncia 10 startups para 4ª turma
Para 68% dos paulistanos, Prefeitura deve melhorar manutenção de calçada 'com urgência'
Prefeitura de SP adia processo de concessão da Zona Azul em 40 dias

Neste 25 de janeiro São Paulo celebra 466 anos de vida. Uma das maiores metrópoles do Hemisfério Sul, São Paulo ocupa mais de 1.500 km² e tem uma população de mais de 12 milhões de habitantes. Com uma frota de mais de 8,5 milhões de veículos, o trânsito é, sem dúvida, um dos principais problemas da pauliceia. Centro financeiro do País e sinônimo de trabalho, locomover-se por uma cidade deste tamanho e nesse ritmo desenfreado é um desafio que exige paciência.

Mesmo o investimento em ciclovias, os corredores de ônibus e o aumento da malha metroviária, nos últimos anos, não parece ter sido suficiente para reduzir os congestionamentos. Segundo pesquisa da Rede Nossa São Paulo, o paulistano ainda perde cerca de 3 horas no trânsito todos os dias.

Solução para driblar o trânsito

Por outro lado, a metrópole cosmopolita oferece diversas atrações a seus moradores e aos visitantes, como museus, parques, prédios históricos, espaços culturais, casas de espetáculos, cinemas, teatros e restaurantes, entre outros espaços ao ar livre. Uma cidade que vive 24 horas por dia e sempre tem algum programa interessante para fazer.

Tanto que, segundo dados do Google, São Paulo aparece como a segunda cidade mais desejada por turistas do mundo inteiro para se viajar em 2020. Mas como driblar o trânsito e conhecer algumas das principais atrações dessa imensa cidade e com tanto carro na rua? De moto. Um meio de transporte rápido, econômico e prático, até na hora de estacionar.

Para homenagear São Paulo neste aniversário, sugerimos um roteiro que passa por alguns dos principais pontos da cidade a bordo de uma scooter de 150 cilindradas, que une agilidade no trânsito, facilidade de pilotagem e economia de combustível.  

Ibirapuera: “praia de paulista”

O Parque do Ibirapuera, aberto em 25 de janeiro de 1954, é uma das principais áreas verdes de São Paulo. Foto: Marco Ankoski

Embora não seja o maior parque da cidade, o Ibirapuera é o mais visitado – e não só de São Paulo, mas de toda a América do Sul: em 2017, recebeu mais de 17 milhões de visitantes.  

Eleito pelo jornal britânico The Guardian, como um dos melhores parques urbanos do mundo, o “Ibira” é a “praia do paulista” e convida à prática de esportes. Há aparelhos de ginástica, ciclovias, quadras e playground. Pode-se alugar bikes por R$ 7,00 a hora.

O parque também pode ser um convite para uma caminhada cultural, afinal abriga cinco museus, como o Pavilhão da Bienal, o Museu de Arte Moderna (MAM), o Museu Afro-Brasileiro, o Museu de Arte Contemporânea (MAC) e ainda o Planetário. Se for visitá-los, fique atento, pois em determinados dias da semana, a entrada é gratuita.

E, se você for de moto, o estacionamento também. Há bolsões para motocicletas e estacionar, pelo menos em duas rodas, não é um problema – já os automóveis têm mais dificuldade para encontrar vagas e ainda pagam Zona Azul.

A mais paulista das avenidas

Prédio do Masp, na Av. Paulista. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Na cidade não faltam equipamentos e eventos culturais — e quem vem a passeio pode aproveitar boas promoções. O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), por exemplo, oferece entrada gratuita às terças-feiras. O local abriga um dos acervos mais valiosos da América Latina e sempre acontecem boas exposições itinerantes. Só o edifício projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi, que tem um dos maiores vãos livres do mundo, já vale a visita.

Localizado na Avenida Paulista, o coração da cidade, uma ida ao Masp exige um pouco mais de paciência para encontrar uma vaga para estacionar. Apesar de haver diversos bolsões para motos nas ruas perpendiculares à Paulista – e se você não for paulistano, vale lembrar que é proibido estacionar motos nas vagas de Zona Azul –, estão geralmente lotados, sobretudo durante a semana. Se você achar uma vaga, não se esqueça de usar seu dispositivo antifurto, como cadeados e travas, ou procure um estacionamento que aceite motos.

Na Paulista, também ficam o Conjunto Nacional, o Parque Trianon, a Casa das Rosas, e diversos cinemas e teatros. No entorno, para o lado dos Jardins, muitos restaurantes e bares sofisticados. Descendo em direção ao centro, não faltam baladas descoladas e de estilo underground na região do Baixo Augusta e da Bela Vista.

Para os fãs de futebol

O Estádio do Pacaembu foi inaugurado em 1940. Fotos: Marco Ankosqui

Da Avenida Paulista é um pulo até o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o famoso Pacaembu. Inaugurado em 1940, o Pacaembu não é mais o principal palco dos clássicos na cidade, mas é parada obrigatória para os fãs do esporte bretão. Além de admirar sua bela arquitetura art déco, presente na entrada principal do estádio, é possível visitar o Museu do Futebol, que também tem entrada gratuita às terças – nos demais dias a entrada custa R$ 15.

OFERTAS 0KM

Se você estiver por lá às terças-feiras, conheça na famosa feira-livre que acontece na Praça Charles Miller a barraca do Pastel da Maria, eleito o melhor da cidade. Uma boa pedida para um “almoço rápido”, antes de continuarmos nosso passeio em direção ao centro.

Centro Histórico

Descendo a Avenida Pacaembu em direção ao Elevado Presidente João Goulart (também conhecido popularmente como Minhocão), rapidamente chega-se à região central da metrópole. Atenção aos radares de velocidade e às pistas exclusivas de ônibus para não ser multado. Afinal, o caminho é um pouco congestionado durante a semana, mas em uma scooter isso não é grande problema. Seguindo por baixo do Minhocão, o trajeto passa pela Avenida São João e pela esquina mais famosa de São Paulo, com a Avenida Ipiranga.

O centro, aliás, é um dos locais mais procurados pelos turistas que visitam a cidade. A região abriga um belo conjunto arquitetônico do começo do século 20 e diversas atrações culturais e centros comerciais. Estacionar pode ser um problema, apesar dos bolsões para motos, mas a disponibilidade de estacionamentos pagos é farta.

Vale estacionar a moto e conhecer de perto o Theatro Municipal de São Paulo, construído em 1911, com projeto do arquiteto Ramos de Azevedo, que dá nome à praça. Neste mês de janeiro, o Theatro abrigará algumas atrações do Festival Verão Sem Censura com filmes, espetáculos teatrais, shows e exposições que foram perseguidas em 2019. A programação se encerrará em 31 de janeiro, com uma sessão da peça Roda Viva, encenada no palco do Municipal.

Dali, basta atravessar o Viaduto do Chá, um dos mais antigos da cidade, e caminhar pelos calçadões do Centro Velho. O piso de pedras portuguesas leva ao Centro Cultural Banco do Brasil e ao Farol Santander, misto de mirante e museu instalado no antigo prédio do Banespa, que já foi um dos mais altos da cidade, mas ainda hoje oferece uma vista privilegiada da capital. É preciso comprar ingressos antecipadamente, ou corre-se o risco de não conseguir entrar. Vale dar um pulo no Pátio do Colégio, onde São Paulo nasceu em 1554.

Se estiver disposto a caminhar, a Pinacoteca do Estado, que fica no Parque da Luz, está a cerca de 2 quilômetros do local e sempre abriga exposições interessantes, além de um belo acervo de quadros.

Beco do Batman e Praça do Pôr do Sol

De volta ao guidão da scooter, vale uma esticada em direção à charmosa Vila Madalena, com seus bares, restaurantes e galerias de arte contemporânea. Verdadeiro museu de grafites a céu aberto, o Beco do Batman fica no coração do bairro e a cerca de 10 quilômetros do centro – mas não se preocupe com a distância, em uma scooter, como a Honda PCX 150, que costuma rodar 38,7 km/litro, o gasto com gasolina nesse tour por São Paulo é ínfimo.

Aproveite e estacione novamente a scooter para caminhar pelas ruas da Vila. Tome um café, suco ou refrigerante (na de álcool quando se pilota) ou coma algo nos inúmeros bares e restaurantes do bairro. Contudo, se quiser fazer compras, reserve uma tarde para circular pelas ruas estreitas da Vila, com destaque para o quadrilátero formado pelas ruas Mourato Coelho, Wisard, Harmonia e Aspicuelta. Não perca também a pequena e escondida Mateus Grou. Em seus três quarteirões, é possível passar um bom tempo zanzando pelas diversas lojas de arte, roupas e decoração. Bons lugares para comer não faltam.

Para finalizar o passeio, vale dar uma esticada até a Praça do Pôr do Sol, que, como o próprio nome diz, é um destino comum entre os paulistanos no fim de tarde.  Pode não ter a vista exuberante da natureza, como em outras cidades, mas ao mostrar o sol se pondo por trás dos arranha-céus da zona oeste da cidade, nos ajuda a entender a dura poesia concreta das esquinas de São Paulo.

Honda PCX 150 é scooter urbana por natureza

Scooter Honda PCX. Foto: Marco Ankosqui

Scooter mais vendida do Brasil, a Honda PCX 150 é um veículo projetado para enfrentar o trânsito das grandes cidades. Equipada com motor de 150 cilindradas e câmbio CVT (automático), a scooter é fácil de pilotar. Baixa, com assento a apenas 76,4 cm do solo, e leve, pesa 126 kg a seco, a PCX é ágil no trânsito e cabe em “qualquer lugar”, ou seja, estacioná-la não é um problema.

De quebra ainda oferece a praticidade do espaço sob o banco, que comporta, pelo menos, um capacete fechado e alguns objetos, além de contar com porta-luvas e tomada 12V para carregar o smartphone e poder registrar em fotos as paisagens da capital paulista.

Com preço sugerido a partir de R$ 11.990, caso da versão com freios combinados (CBS), usada na reportagem, a PCX 150 ainda tem painel digital e iluminação full-LED.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login