Voltar

Embaixadores

Marcelo Nunes

CEO do Grupo PareBem.

Mobilidade para quê?

Uso de dados a favor da mobilidade, das cidades e da economia

A inovação pode influenciar de forma positiva a qualidade de vida nas grandes e médias cidades e facilitar a mobilidade urbana

01/12/2020 - 3 minutos, 2 segundos


Uso de dados a favor da mobilidade, das cidades e da economia
Foto: divulgação

Todas as vezes em que acessamos redes sociais, portais de notícias ou sites de busca ou de e-commerce, apenas para citar alguns exemplos, geramos um grande volume de dados sobre nosso comportamento, nossos hábitos e nossas preferências. A conversão desses dados ‘soltos’ em informações estruturadas, aplicando inteligência analítica – e em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) –, contribui para o desenvolvimento e aprimoramento de produtos, serviços e processos, conhecimento aprofundado sobre o comportamento do consumidor e até para a melhoria da mobilidade urbana. 

Leia mais:
Notícia No Seu Tempo- Especial Mobilidade: O Papel Das Empresas No Deslocamento Urbano
Qual o preço da nossa comodidade e segurança?
A importância de discutir mobilidade em tempos de eleição

Os aplicativos de mapas são um bom exemplo da transformação digital a favor da mobilidade urbana. Com eles, por meio de um modelo colaborativo de uma grande rede de usuários, motoristas e passageiros podem compartilhar informações, em tempo real, sobre ocorrências na rota, como acidentes e congestionamentos, entre outras. Os dados recebidos são rapidamente processados, analisados, consolidados e transformados em informação, o que dá ao usuário a possibilidade de buscar caminhos alternativos para escapar do sufoco. Economia de tempo e mais segurança.

Feitos positivos na mobilidade

Indiretamente, as ferramentas tecnológicas voltadas para melhorar a experiência do consumidor também têm potencial para gerar efeitos positivos na mobilidade urbana, pois colaboram para otimizar os fluxos de carros e pessoas nas ruas e avenidas. Explico a seguir.

A inteligência de dados é o meio mais célere e eficiente para que isso ocorra. Existem tecnologias aptas a armazenar grandes quantidades de dados, que podem ser analisados e transformados em informações valiosas sobre preferências, hábitos e até as insatisfações do cliente.

Com esses insumos em mãos, as empresas têm um cenário mais amplo para definir as estratégias dos produtos ou serviços, o que as permite planejar ‘como’, ‘quando’ e ‘qual’ a melhor forma de atrair a atenção dos públicos de interesse. A soma desses fatores resulta em maior proximidade da marca com os clientes e, consequentemente, menos desperdício e maximização da rentabilidade.

Melhor fluxo de veículos

E onde a mobilidade se encaixa nesse contexto? A resposta é simples. As relações de consumo mais assertivas colaboram para otimizar os deslocamentos, uma vez que a pessoa pode planejar melhor a jornada da compra.

Um grande shopping center na região Centro-Oeste vem desenvolvendo um projeto piloto bastante disruptivo nesse sentido. A ideia é utilizar informações obtidas a partir do estacionamento para desenvolver campanhas e ações de relacionamento personalizadas para os clientes, com oferta de novos produtos e serviços e promoções e vantagens para estimular a frequência em horários alternativos, o que contribui para otimizar o fluxo de veículos durante o dia.

A tecnologia permite que o sistema cruze os dados das placas dos carros e motos que acessam o estacionamento com informações públicas sobre o proprietário do veículo, sempre seguindo e cumprindo o que determina a Lei Geral de Proteção de Dados. Dessa maneira, o shopping passa a ter uma visão mais completa desse cliente, entendendo com qual frequência ele vai ao estabelecimento, quanto tempo passa por lá, seus horários preferidos, hábitos de consumo, preferências e perfil de comportamento. 

Exemplos como esses dos aplicativos de mapas e do shopping ilustram como a inovação pode influenciar positivamente a qualidade de vida nas grandes e médias cidades, facilitando a mobilidade urbana e, além disso, aproximando as marcas das pessoas, o que faz a economia girar mesmo em períodos mais difíceis.”

Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login