Voltar

Especial Delivery

Meios de transporte

5 dicas para deixar sua moto em ordem

Com mais entregas e mais quilômetros percorridos, é preciso cuidar com carinho de sua companheira diária de trabalho

26/06/2020 - 2 minutos, 54 segundos


Honda CG 160 Cargo. Foto: Divulgação

Leia mais:
O Brasil não parou. Está andando sobre duas rodas
Motos se consolidam como veículo de trabalho
Live desta quarta-feira é sobre o mercado de motos no último trimestre de 2020

1. Sistema de iluminação

Farol, lanterna traseira, luz de freio e piscas são fundamentais para você rodar com segurança e dentro da lei. As motos precisam rodar com o farol aceso, mesmo durante o dia. O sistema de iluminação também serve para que outros veículos o enxerguem no trânsito.

Antes de sair de casa, ao dar partida, enquanto deixa o motor esquentar, aproveite para verificar o funcionamento de farol, piscas, lanterna e luz de freio. “Além de ser perigoso rodar sem uma lâmpada acesa, é infração de trânsito. A multa será mais cara do que trocar a lâmpada”, avisa Gutenberg Santos Silva, instrutor de pilotagem do Centro Educacional de Trânsito Honda.

2. Fique Ligado nos pneus

Os pneus são fundamentais para pilotar com segurança; afinal, é o contato deles que transfere a “força” do motor para o asfalto. “Não se esqueça de calibrar os pneus, com a pressão indicada pelo fabricante, uma vez por semana, pelo menos.

Pneus na pressão correta oferecem maior aderência ao asfalto e ajudam a economizar combustível”, ensina o instrutor de pilotagem da Honda. Como um entregador roda muito, é importante ficar atento ao desgaste dos pneus.

Um pneu “careca” coloca em risco a segurança, pois terá menos aderência e pode causar quedas em piso molhado. Atenção ao indicador de desgaste da banda de rodagem, indicado pela sigla T.W.I, na lateral dos pneus: se o sulco atingir o limite, é hora de trocá-lo.

3. De olho no óleo

O lubrificante é muito importante para a durabilidade do motor. Verifique o nível toda vez que for rodar e complete com o mesmo tipo de lubrificante, se for necessário.

OFERTAS 0KM

A troca deve ser feita nos intervalos recomendados pelo fabricante, que constam no manual do proprietário. “Muitas pessoas trocam o óleo com 1.500 km, mas não há necessidade. É um desperdício de dinheiro e prejudica o meio ambiente. Se utilizar o óleo recomendado pela Honda e verificar o nível periodicamente, pode seguir as orientações do manual”, alerta Alfredo Guedes, engenheiro da Honda.

4. Cuide da sua relação

Outro item para sua segurança é a transmissão final, ou seja, o conjunto corrente, coroa e pinhão, que muitos chamam de relação. Verifique a folga da corrente ao menos uma vez por semana ou a cada 1.000 quilômetros. A corrente não pode estar muito esticada nem folgada.

A posição correta está indicada no manual da moto. “Uma vez por semana eu também lavo a corrente com produto adequado para tirar a sujeira e lubrifico novamente”, afirma Anderson de Jesus Braga, entregador que trabalha há dez anos nas ruas. Se chover, é preciso lubrificar no final do dia, lembra ele.

5. Pare agora!

Não pode esquecer de verificar os freios. A gente usa muito na cidade”, lembra o motoboy Anderson. Se for a tambor, é possível regular de forma bastante simples.

Basta apertar o varão que aciona as sapatas para garantir frenagens mais seguras. Freios ineficientes ou com barulho metálico indicam que chegou a hora de trocar as lonas.

No caso dos freios a disco é importante ficar de olho no desgaste das pastilhas, as peças que entram em contato com o disco e param a moto. “Na minha CG, que tem disco na dianteira, também verifico o nível do fluido de freio e troco a cada seis meses”, ensina Anderson.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login