Buscando sugestões para:


Mobilidade com segurança

“Os passageiros devem começar a voltar em abril”

CCR assume duas linhas de trens da CPTM e está de olho em novos editais para crescer no País

9 minutos, 51 segundos de leitura

02/02/2022

Por: Tião Oliveira

“O plano é reformar sete estações até janeiro de 2023. Serão 26, como parte do investimento de R$ 3,8 bilhões nos três primeiros anos.” Foto: Divulgação CCR

Marcio Hannas tem um currículo e tanto. É formado em Engenharia pelo ITA e tem MBA na UCLA. Trabalhou na consultoria Booz & Company em São Paulo e Nova York. Passou por Vale, Caoa e tocou o VLT Carioca por cerca de quatro anos. Desde 1.º de janeiro, é o presidente da Divisão de Mobilidade da CCR.

Entre suas atribuições está a gestão das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que acabam de passar às mãos da concessionária. Ele afirma que é preciso ampliar e melhorar a oferta de serviços aos usuários. Ao Estadão, Hannas falou sobre os resultados da área em 2021 e diz que o número de passageiros transportados deve voltar a crescer em breve

Como foi o desempenho da área de Mobilidade da CCR em 2021?

Marcio Hannas: A mobilidade ainda está sofrendo as consequências das restrições de circulação de pessoas por causa da pandemia. De todo modo, em 2021 houve crescimento em relação a 2020. Em número de passageiros transportados, a alta foi de 6%. Porém, ao comparar dezembro de 2021 com dezembro de 2020, o crescimento foi de 20%. No início do ano, sofremos com a segunda onda da covid-19, o que prejudicou a retomada.

Mas as pessoas estão aprendendo a lidar com a pandemia, estabelecendo e criando regras e formas de convivência. Isso permitiu uma volta da circulação e, obviamente, o transporte público tem um papel importante na viabilidade desses deslocamentos. Na CCR, fizemos um trabalho grande para aumentar o conforto e a segurança dos usuários. Implementamos uma frequência maior de limpeza dos trens.

No caso do VLT, instalamos a abertura automática das portas, de forma que o passageiro não precisa mais tocar o botão. No metrô Bahia, adotamos um processo por meio de uma nuvem que faz a limpeza do ambiente. Também passamos a trocamos os filtros de ar-condicionado com mais frequência. Tudo para aumentar a segurança dos ao utilizar o transporte público.


A CCR fez ações para esclarecer os usuários sobre os cuidados com a covid-19?

Hannas: Divulgamos recomendações nos trens e nas paradas. Além de, obviamente, cobrar o uso da máscara nos trens e estações que são fechadas, seguindo as orientações das autoridades. Por causa do crescimento dos serviços de entrega, fizemos uma ação conjunta com o Ifood e criamos na estação Eucaliptos (Linha 5-Lilás) do metrô de São Paulo um ponto de apoio para os profissionais que trabalham com delivery.

O espaço tem banheiro, copa com micro-ondas, onde eles podem aguardar os chamados, se alimentar e descansar de forma mais confortável. Também doamos R$ 8 milhões para o Instituto Butantã para apoiar a fabricação de vacinas. Doamos R$ 3 milhões para a compra de insumos para as campanhas de vacinação.

E investimos em ações culturais para que as estações não sejam apenas locais de passagem, mas também onde as pessoas possam realizar e participar de ações culturais, por exemplo.

Como funciona esse projeto?

Hannas: Ele busca envolver as comunidades do entorno das nossas estações. Qualquer instituição que tenha interesse de usar nossas estações para atividades culturais pode fazer uma proposta. Ela será avaliada pela nossa equipe, para que possa ser viabilizada. É um trabalho que vai além de oferecer cultura para nossos passageiros.

Ou seja, visa criar oportunidades para que as pessoas das comunidades possam mostrar seus trabalhos. Ou seja, é um espaço onde elas podem fazer performance e divulgar a sua arte.

Há outros serviços oferecidos pela empresa?

Hannas: No metrô Bahia, temos o serviço de locker. Por R$ 4, o vendedor deixa o produto trancado em um armário com a chave digital. Ele informa o código para quem o comprador retire o produto que comprou no momento em que preferir. Essa é uma tendência.

Estamos sempre pensando em formas de agregar valor aos serviços oferecidos aos passageiros. Queremos que o nosso sistema não seja só de mobilidade humana, mas que também traga facilidade e comodidade aos usuários. São iniciativas que ajudam a transformar o espaço e a prestar um bom serviço.

Como a aceleração da digitalização impactou os negócios da CCR?

Hannas: Talvez o ponto em que isso ficou mais claro é o processo de compra de passagens. E claro que esse é um serviço regulado. Portanto, não temos autonomia completa nesse caso.

Entre outros, oferecemos aluguel de guarda-chuva nas estações, que pode ser pago por meio de moeda digital. Sempre buscamos oferecer soluções que criem comodidade.

A CCR também tem algum tipo de app ou site de apoio ao usuário?

Hannas: Temos o Quicko. O app funciona em localidades com São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. Ele oferece informações em tempo real que facilitam os deslocamentos.

Ou seja, qual é a melhor forma de você ir do ponto “A” ao “B”, quanto tempo isso leva e quanto custa. Nesse caso, o objetivo também é facilitar a vida do passageiro. A Quicko é uma plataforma multimodal, que reúne dados para promover a mobilidade urbana.

A CCR tem parcerias para incentivar o transporte multimodal?

Hannas: Em algumas estações, o passageiro tem a possibilidade de fazer a última milha usando a própria bicicleta ou alugando uma. Também permitimos que o passageiro circule com a bicicleta dentro do trem.

Isso pode ser feito de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h. Bem como em qualquer horário nos fins de semana e feriados.

A oferta de soluções integradas para viagens da última milha é uma tendência?

Hannas: Creio que seja tendência mundial. Nossa principal preocupação é a segurança. Por exemplo, como viabilizar que a bike viaje no mesmo vagão que o passageiro. E é por isso que limitamos os horários.

No pico, os trem ficam muito cheios e, como não foram projetados para transportar bike, priorizamos o passageiro.

O que é preciso fazer para melhorar as políticas públicas e o comportamento do usuário em prol de um transporte mais eficiente?

Hannas: Com a pandemia, houve uma flexibilização dos horários das pessoas. Juntamente com o trabalho remoto, ocorreu uma suavização nos horários de pico da manhã e da tarde. Isso permitiu distribuir melhor a demanda. O investimento é importante para acompanhar o crescimento da procura e oferecer conforto e um serviço de qualidade.

Nos horários de pico, sempre vai haver trem mais cheio. Isso ocorre em qualquer país do mundo, seja desenvolvido ou não. A operação tem de ser viável economicamente e o passageiro tem de conseguir pagar por ela. Não adianta ter uma oferta enorme de capacidade se a tarifa for tão alta que o passageiro não consiga pagar.

Esse balanço é muito importante. É claro que o passageiro é o mais importante, mas não podemos dissociar isso da questão econômica. Ou seja, a operação precisa ser viável.

Regularmente, fazemos pesquisas de satisfação com os usuários para medir questões como praticidade, facilidade, uso e segurança. Isso é justamente para nos ajudar a equilibrar a oferta de serviço à satisfação do passageiro. E, quando a CCR implanta ou assume uma operação, esse é uma questão muito importante.


Quando o número de passageiros vai voltar a crescer?

Hannas: Neste início de ano, o impacto da Ômicron está sendo grande. Mas olhando o que já aconteceu em outros países, onde essa onda chegou mais cedo, dá para imaginar que o pico será mais “fechado”. Ela sobe muito rapidamente, mas também desce rápido.

Pensando pelo lado positivo, o pico aconteceu no período de férias, quando há menos pessoas circulando. Nossa expectativa é que seja em março ou, no máximo, em abril, a gente esteja com a situação muito mais bem controlada. Assim, a demanda deve retornar aos patamares próximos ao de antes do início da pandemia.

Claro que o retorno vai ser gradual. Existe uma mudança de comportamento da população, das empresas, que têm regras para evitar a contaminação e mais flexibilidade no trabalho, com a adoção de home office.  Isso vai garantir mais tranquilidade no retorno aos ambientes compartilhados.

Quais são os planos para 2022 e o que será feito para alcançar as metas?

Hannas: A CCR acaba de assumir as operações das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM de São Paulo. Essa é uma das maiores operações de mobilidade urbana. E isso é um grande desafio. Nosso plano é reformar sete estações até janeiro de 2023. No total, 26 estações vão ser reformadas e isso deve consumir a maior parte dos investimentos estimados em R$ 3,8 bilhões nos três primeiros anos da concessão.

Os passageiros devem começar a perceber uma melhora da infraestrutura e do serviço já nesse início de 2022. Além disso, existem projetos novos que estamos avaliando. Eles têm de ser sustentáveis do ponto de vista econômico, social e ambiental.

E é preciso que haja segurança jurídica para que a gente possa fazer esses investimentos. Então, temos expectativas em relação aos editais que serão lançados em 2022. Estamos avaliando todas as oportunidades e esperamos continuar crescendo e conquistando novos contratos.

Se fosse possível, independentemente da viabilidade, o que o sr. gostaria de implementar?

Hannas: A gente tem sempre que observar as questões regulatórias e os riscos. Como engenheiro, eu digo que, se não houver limitação de tempo e dinheiro, tudo é possível. Em São Paulo, já temos linhas que são operadas sem o condutor.

Na Bahia, há um projeto que mostra, por exemplo, qual carro está mais vazio para que a pessoa possa se posicionar. Isso facilita o embarque e o desembarque. Nas estações da linhas 8 e 9, já temos o compromisso de implantar wi-fi. O objetivo é sempre melhorar o conforto nos deslocamentos.

Que mensagem você enviaria ao Márcio que estava se formando há 30 anos no ITA?

Hannas: Ter mais atenção para o social. Creio que eu vivia em uma bolha. Tinha facilidades, pais que me sustentaram, estudei em boas escolas. Talvez naquela época eu não valorizasse tanto a questão social por ter tido pouca exposição às dificuldade é aos desafios que a maior parte da população passa.

Então, a mensagem seria para ficar mais aberto e buscar devolver à sociedade o que ela me ofereceu. Tenho como missão usar meu conhecimento e aprendizado em benefício dos outros, não apenas em benefício próprio.

O que é importante para oferecer o melhor serviço?

Hannas: Tem uma coisa que a gente não mede, mas que para mim é fundamental, que é o engajamento da equipe. E isso transforma a vida das pessoas. Eu que vim do VLT (do Rio de Janeiro) e um das coisas que a gente sempre valorizou foi o tratamento dado aos passageiros.

Teve o caso de um fiscal que encontrou uma quentinha que foi esquecida. Ele guardou na geladeira e, quando a pessoa ligou perguntando, ficou sabendo que estava bem guardada e que ele poderia buscar na estação. Outro passageiro esqueceu um passarinho.

O colaborador que trabalha com achados e perdidos buscou uma gaiola, comprou comida e cuidou do passarinho. E, quando o dono foi buscar, nosso colaborador disse que ele poderia levar a gaiola emprestada e devolver depois. Esse cuidado e carinho faz muita diferença e pode transforma a vida das pessoas.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login