Voltar
Mobilidade para quê?

A mobilidade do futuro é compartilhada, multimodal e sustentável

As cidades devem ser planejadas com o objetivo de priorizar a integração, o compartilhamento da frota e a necessidade do usuário

02/03/2021 - 2 minutos, 48 segundos


mobilidade
Foto: Getty Images

A cidade inteligente deve ser pensada para atender às necessidades das pessoas, com políticas públicas para a mobilidade urbana e desenhadas para a promoção da qualidade de vida e como meio de acesso à oportunidades.

Leia mais:
Por que adiamos o Plano de Mobilidade Urbana?
Para fugir do trânsito da Paulista, o carro foi trocado pelo metrô
As leis são aperfeiçoadas, mas o cidadão deve fazer a sua parte

Neste cenário, a mobilidade urbana compartilhada funciona como infraestrutura fundamental no processo de priorização da jornada do usuário e diminuindo as desigualdades no acesso ao transporte público seguro, integrado e sustentável. No entanto, o desafio das cidades é encontrar soluções multimodais, com a oferta de opções de frota compartilhada, com carros, bicicletas, scooters, patinetes, entre outros. E ainda considerando esses meios como complemento aos sistemas de transporte existentes.

Ponto fundamental de todo esse processo, a conexão de transformação global da mobilidade sustentável com o comportamento do usuário chama cada vez mais a atenção para o tema. De acordo com o estudo Mobility Futures, da consultoria Kantar, realizado antes da pandemia da Covid-19,  2030 será o ponto de mudança nas maiores cidades do mundo, apontando que 25% das pessoas desejam mudar a forma como se deslocam.

O levantamento aponta as mudanças na mobilidade de 31 metrópoles, incluindo São Paulo, considerada uma das principais cidades desse processo, juntamente com Manchester, Moscou, Paris, Joanesburgo, Guangzhou, Milão, Montreal, Amsterdã e Xangai. 

“Não há dúvida de que o processo e a necessidade de transformação da mobilidade urbana vem ganhando ainda mais espaço a partir da pandemia, reforçando a urgência de implementação do modelo compartilhado, integrado e sustentável e exigindo, ainda, mais adaptação dos modelos convencionais”, cita Paula Faria, CEO da Necta e idealizadora do Connected Smart Cities & Mobility, também embaixadora da Mobilidade no Estadão.

“Incorporar soluções multimodais e tecnologias, além das tendências de locomoção, como o uso da bicicleta, caminhada, carona solidária, transporte por aplicativo, veículos elétricos, entre outros modais, ajudará na oferta de um transporte público mais robusto, seguro e com uma tarifa única e justa, favorecendo, principalmente, a população mais pobre e sempre mais penalizada nos deslocamentos”.

Faria entende que a pauta está bem estabelecida no Brasil, mas é necessário a colaboração entre setor público e privado, com o objetivo de melhorar, ampliar e agilizar a implementação de projetos.

“Precisamos sim avançar neste tema e reforçar o papel de cada ator, onde destaco os governos, por meio do incentivo das mudanças de comportamento e promoção da regulamentação; o setor privado, com a oferta de tecnologia e serviços; e a sociedade, que tem o papel de fiscalizar e acompanhar a efetividade das propostas”.

Centro do debate

A  mobilidade urbana compartilhada será amplamente debatida durante o evento nacional Connected Smart Cities & Mobility, que acontece entre 01 e 03 de setembro de 2021, e tem parceria do Mobilidade Estadão.

Ações pré-evento

Nos dias 9 e 16 de março acontecem os Eventos Regionais em Belém (PA) e Campo Grande (MS), respectivamente. As inscrições são  gratuitas e as ações serão realizadas, até agosto, em todas as capitais do País.

Em julho e agosto também serão promovidas ações em diferentes locais da cidade de São Paulo. Os “Pontos de Conexão CSCM” serão transmitidos ao vivo.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login