Voltar
Mobilidade para quê?

Honda SH 150i faz 40 km/litro e tem freios ABS nas duas rodas; conheça

Scooter usa o mesmo motor da PCX 150, mas seu design segue o estilo italiano, com plataforma para os pés e rodas maiores de 16 polegadas; veja o vídeo

Arthur Caldeira

29/09/2020 - 4 minutos, 56 segundos


homem-pilota-scooter_honda_em_saopaulo
Com preço sugerido de R$ 13.340, SH 150i sai mais em conta do que as concorrentes atualmente. Foto: Divulgação/Honda

Leia mais:
Fantic Issimo é bicicleta elétrica 'amigável' para pedalar na cidade; assista
Motos e scooters são alternativas ao transporte público lotado
Motociclistas são os mais felizes com seu meio de transporte, revela estudo

As scooters têm caído no gosto do consumidor brasileiro. Em 2019, as vendas desse tipo de moto registraram aumento de 43,8%, alcançando o recorde de histórico de 96.577 unidades comercializadas. Uma das opções de scooters à venda no Brasil é a Honda SH 150i, modelo que faz 40 km/litro de gasolina e tem rodas grandes, de 16 polegadas, para encarar as ruas mal pavimentadas e driblar o trânsito nos grandes centros urbanos.

Honda SH 150i segue o desenho italiano, com plataforma para os pés. Foto: Divulgação/Honda

A principal diferença das scooters para as motocicletas convencionais é o câmbio automático CVT. Na Honda SH 150i não é diferente: não há manete de embreagem e nem pedal de câmbio. Basta acelerar e frear.

Fácil de pilotar, a scooter da marca japonesa tem design italiano, com uma plataforma para apoiar os pés e um escudo frontal, que protege o piloto de poças d’água e até de uma garoa. A ergonomia, aliás, é um dos pontos fortes da SH 150i: o motociclista vai sentado, com as costas eretas, em uma posição de pilotagem bastante confortável.

O modelo ainda conta com faróis de LED e chave de presença (Smart Key). A chave pode ser guardada no bolso ou na bolsa. Ao se aproximar da scooter, a Smart Key libera o botão de ignição para abrir o banco ou dar partida. Uma facilidade para quem vai usar a scooter no dia-a-dia.

Motor com “Idling Stop”

Pouca gente sabe, mas a SH 150i usa o mesmo motor da campeã de vendas da categoria scooter, a PCX 150, também fabricada pela Honda no Brasil. O monocilíndrico com 149,3 cm³ de capacidade é alimentado por injeção eletrônica e tem refrigeração líquida.

A Honda declara que o motor oferece melhor desempenho se comparado a PCX: 14,7 cv a 7.750 rpm de potência máxima e 1,40 kgf.m a 6.250 rpm, na SH 150i, contra os 13,2 cv e 1,38 kgf.m da PCX.

honda-sh-150
Motor é o mesmo da PCX, mas tem mais potência e torque na SH 150i. Foto: Divulgação

A scooter de roda grande da Honda também está equipada com o sistema “Idling Stop”, que desliga o motor quando o veículo para no semáforo, por exemplo, por três segundos – o mesmo sistema presente no PCX. Para voltar à vida, basta girar a manopla do acelerador. Segundo a Honda, o sistema pode deixar o modelo até 7% mais econômico.

Por falar em economia, o consumo da Honda SH 150i em uso urbano foi de 40,3 km/litro. Rodei cerca de 150 quilômetros durante uma semana e o tanque – com capacidade para 7,5 litros – não chegou nem à metade. A autonomia gira em torno de 300 km, sem precisar parar para abastecer.

Estável e seguro

Além do design, a principal diferença da SH 150i para as demais scooters à venda no Brasil são as rodas de 16 polegadas. Calçada com pneus largos – 100/80-16 (D) e 120/80-16 (T) – e um conjunto de suspensão robusto, a SH 150i absorve melhor as imperfeições do piso do que outros modelos, com rodas de 13 ou 14 polegadas.

honda-sh-150
SH 150i rodou 40 km/litro de gasolina em uso urbano. Foto: Divulgação/Honda

Na rodovia Anchieta, que liga a capital às cidades do ABC paulista, a SH atingiu 115 km/h. As rodas maiores também contribuem para a sensação de estabilidade e segurança em velocidades mais altas.

OFERTAS 0KM

Os freios também merecem destaque. Ambas as rodas são equipadas com disco simples de 240 mm de diâmetro e sistema ABS (antitravamento). Uma vantagem em relação a PCX, que tem ABS apenas na dianteira.

Estilo e praticidade

Como a grande maioria das scooters, a SH 150i oferece um porta-objetos sob o assento, onde cabe apenas um capacete e nada mais. Menor, portanto, do que na PCX 150 e em outros modelos concorrentes. A culpa é da roda maior que “rouba” espaço sob o banco.

Por outro lado roda maior ‘rouba’ espaço sob o assento, onde cabe só um capacete. Foto: Divulgação/Honda

Há um gancho na parte de trás do escudo frontal, onde é possível pendurar sacolas ou mochilas, para carregá-las entre as pernas. Mas, para ampliar mesmo a capacidade de carga do modelo, será preciso investir em um baú.

No porta-luvas, onde cabe uma carteira, há uma tomada 12V para carregar o smartphone. Lamentei não ter o adaptador para o cabo do celular. Uma entrada USB resolveria o problema.

Mais barato que PCX e NMax

Apesar da limitação, a SH 150i é uma boa opção para quem quer driblar o trânsito com estilo e economia. Tanto que o modelo é o veículo de duas rodas mais vendido na Itália há alguns anos. Entretanto, não repete o mesmo sucesso por aqui.

No ano passado, por exemplo, a PCX 150 foi a scooter mais vendida do Brasil com 32.582 unidades. Em quinto lugar, a SH 150i só emplacou 4.916.

honda-sh-150i
Apesar de ser sucesso na Itália, SH 150i ainda não ‘pegou’ no Brasil. Foto: Divulgação/Honda

Alguns criticam o design da SH 150i, enquanto outros afirmam que o assento alto (799 mm do solo) não dá segurança para os mais “baixinhos” alcançarem o chão. Eu meço 1,71 m e não senti dificuldade para apoiar os dois pés. Já a questão estética vai do gosto de cada um.

Particularmente, acho a Honda SH 150i uma excelente scooter como opção de mobilidade urbana. Segura, em função do freio ABS, e das rodas de 16 polegadas, sua principal qualidade, na minha visão.

Outro argumento favorável à SH 150i, atualmente, é que seu preço sugerido de R$ 13.340 é menor do que o pedido pela PCX 150 ABS (R$ 13.990). E inferior ao valor cobrado pela Yamaha NMax 160 ABS (R$ 13.790).

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login