Voltar
Mobilidade para quê?

Como a arborização afeta a mobilidade urbana

Vegetação melhora o ar, oferece sombra e conforto térmico, mas também causa transtornos quando não é feita de forma planejada

Daniela Saragiotto

10/11/2020 - 4 minutos, 4 segundos


arborização nas vias impacta a mobilidade
As árvores urbanas oferecem sombra nas vias da cidade, o que facilita quem se desloca a pé ou de bicicleta. Foto: Getty Images

Quem caminha ou pedala por São Paulo sabe o quanto as sombras da arborização são preciosas e estimulam a prática desses modais. A cidade possui em torno de 650 mil árvores em seu viário, que levam mais qualidade de vida e conforto ambiental às pessoas. Mas que, também, podem afetar nossa já comprometida mobilidade urbana.

Leia mais:
Para 68% dos paulistanos, Prefeitura deve melhorar manutenção de calçada 'com urgência'
Conheça os bairros de SP onde estão as piores calçadas
Covas chama operadores de patinete para cadastro, mas empresas pedem novas regras

A forma mais conhecida de vegetação urbana são árvores plantadas ao longo das calçadas, além, é claro, de parques e bosques. Ela é a que está mais próxima da população nas cidades, mas é, também, a que mais carece de planejamento e fiscalização. 

Ou seja: o que poderia trazer enorme benefício se implementado de forma correta acaba impactando nossa mobilidade. E isso se dá diariamente na vida dos paulistanos, principalmente nos dias de chuva: além dos problemas nas calçadas, árvores caídas atrapalhando o tráfego, com impacto na rede de fiação elétrica e nos semáforos.

A seguir, listamos alguns dos impactos da arborização na cidade de São Paulo e exemplos de como o planejamento urbano poderia potencializar os benefícios de uma ampla cobertura verde na capital. Confira:

  1. Calçadas nada acessíveis 
Raízes destroem calçadas, dificultando a locomoção de pedestres idosos e de pessoas com deficiência. Foto: Getty Images

A lei 12.587/12, que trata da Política Nacional de Mobilidade Urbana, estabelece que os transportes não motorizados (a pé e por bicicleta) devem ter prioridade sobre os motorizados. Seu objetivo é incentivar a chamada mobilidade ativa, que é a que depende do esforço do indivíduo, com ou sem o uso de equipamentos.

Na prática, a situação é diferente: a mobilidade a pé, praticada por um terço da população paulistana, enfrenta, literalmente, diversos obstáculos. A deformação das calçadas pelas raízes das árvores é um deles: muitas das espécies que hoje vemos na cidade foram plantadas antes do calçamento e da instalação da rede de fiação elétrica. Elas não são, segundo especialistas, espécies ideais para o ambiente urbano. 

Mas temos espécies para todas as necessidades da cidade, basta que haja um planejamento e a correta reposição das árvores velhas pelas mais jovens que leve em conta as características do local de plantio.

  1. Árvores caídas 
Chuvas e ventos trazem riscos a provocam enromes prejuízos. Foto: Getty Images

Com as fortes chuvas do verão de 2019, a cidade São Paulo contabilizou um recorde de árvores derrubadas: entre 1º de janeiro e a segunda quinzena de março, 3.153 espécimes caíram, segundo dados da prefeitura. Isso equivale dizer que, a cada hora daquele ano, a cidade perdeu duas árvores.

O motivo das quedas, alegam os especialistas, é a falta de investimentos em medidas preventivas, como fiscalização, podas corretas e cortes de raízes. E, quando cai uma árvore, o impacto é imediato: elas causam trânsito, muitas vezes interrompem o fornecimento de energia por caírem em cima da fiação elétrica e impactam no funcionamento dos semáforos. Mas elas não podem ser consideradas vilãs da população: a vegetação urbana presta um grande serviço para a sociedade. 

Para organizar a reposição e a poda de árvores na cidade de São Paulo, foi criada, em 2019, a Divisão de Arborização Urbana (DAU), vinculada à Coordenação de Gestão de Parques e Biodiversidade Municipal (CGPABI). Aumentar a cobertura vegetal arbórea do município é uma das responsabilidades da divisão, bem como realizar o plantio e a manutenção das mudas de acordo com o projeto de arborização vigente. 

  1. Pouca – e desigual – cobertura verde
Selva de pedra paulistana: quase 90% da área da cidade não tem cobertura vegetal. Foto: Getty Images

Segundo uma pesquisa feita em 2017 pelo Laboratório Senseable City, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), a cobertura verde de São Paulo é de apenas 11,7%. Esse percentual considera a malha viária da cidade, excluindo os bolsões de mata ao sul e ao norte da capital e nossos parques. 

O estudo calculou, com a ajuda do Google Street View, a cobertura verde de 23 cidades do mundo, e São Paulo ficou na penúltima posição, fazendo jus ao apelido de “selva de pedra”. 

O estudo mostrou, ainda, como a distribuição das árvores é desigual: enquanto a Zona Oeste é bem arborizada, encontrar uma sombra na região Leste da cidade é raridade. Algumas ruas no Alto de Pinheiros chegam a ter 46% de cobertura verde, enquanto, no bairro da Mooca, as vias têm menos de 3%. Investir em uma correta arborização pode trazer benefícios que vão muito além do conforto térmico: árvores removem poluentes da atmosfera e umidificam o ar.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login