‘Eletrificação veicular global está no estágio de não-retorno’ | Mobilidade Estadão | Planeta Elétrico

Buscando sugestões para:


‘Eletrificação veicular global está no estágio de não-retorno’

Por: Mário Sérgio Venditti . Há 14 dias

Publicidade

Mobilidade para quê?

‘Eletrificação veicular global está no estágio de não-retorno’

Brian Collie, sócio sênior e diretor executivo da Boston Consulting Group, revela que a transição energética automotiva é um caminho sem volta

5 minutos, 11 segundos de leitura

02/07/2024

Por: Mário Sérgio Venditti

carro elétrico energia solar
Segundo Collie, "a China já passou do ponto de não-retorno, com crescimento rápido, muitos lançamentos e investimentos". Foto: Adobe Stock

O americano Brian Collie é uma das vozes mundiais mais conceituadas no tema eletrificação veicular. Líder global das áreas de mercado automotivo e mobilidade do Boston Consulting Group (BCG), Collie é especializado no trabalho com fabricantes e fornecedores em uma ampla gama de tópicos de estratégia, operações e organização, além do potencial de convergência de compartilhamento, tecnologias autônomas e, principalmente, eletrificação. 

Baseado em Chicago (Estados Unidos), Collie viaja o mundo para conhecer novos projetos relativos à eletrificação. “Europa e Estados Unidos passaram por uma primeira onda. Os desafios vão aparecer agora”, revela. Em recente visita ao Brasil, o executivo deu a seguinte entrevista ao canal Planeta Elétrico.

No Brasil, os veículos eletrificados vêm registrando aumento de vendas. Como está a situação lá fora?
Brian Collie:
É preciso olhar por região, porque não há uma progressão homogênea no mundo. A China já passou do ponto de não-retorno, com crescimento rápido, muitos lançamentos e investimentos. Lá, 50% das vendas são de elétricos puros ou híbridos plug-in. Há uma adesão em escala dos consumidores e a infraestrutura está sendo colocada em curso.

Nos Estados Unidos e na Europa, o quadro é um pouco menos claro. Tudo que é novo tem seus solavancos e, nos últimos 12 meses, houve mais desafios  principalmente nos Estados Unidos, com os juros altos brecando um pouco a demanda, além de problemas de qualidade em alguns produtos. O mercado norte-americano de picapes pesadas é muito forte e difícil de eletrificar. A bateria é pesada demais e muitas vezes a utilização do carro acontece no off-road. Então, as vendas estacionaram em 10%.

O que deverá acontecer agora em mercados como o dos Estados Unidos?
Collie: A visão de longo prazo não mudou, mas o caminho é menos linear. Apesar do momento difícil, esses mercados vão eletrificar por razões simples. Primeiro em função da necessidade de descarbonização e o principal caminho — parece ser claro — é a eletrificação veicular. Segundo porque os custos tendem a ficar favoráveis. O preço da bateria vem caindo, os consumidores estão mais acostumados e os produtos, cada vez melhores.

Masao Ukon, diretor executivo e sócio do BCG no Brasil, e Brian Collie, sócio sênior e diretor executivo da Boston Consulting Group. Foto: BCG/Divulgação

Com tais solavancos, não há o risco desses mercados enfrentarem um refluxo nas vendas?
Collie:
Passamos do ponto de não-retorno para carros de passageiros. Nos Estados Unidos, uma pesquisa com consumidores apontou que 40% pretendem comprar carro elétrico nos próximos dois, três anos. É uma amostra grande, bem maior que os 10% do volume de vendas. As montadoras enfrentam desafios, como ganhar escala para fazer os números fecharem, porque carro elétrico é menos rentável. Então, ele precisa ser viabilizado economicamente a longo prazo. Por fim, os governos devem investir em infraestrutura de recarga. São fatores que vão ditar a velocidade, mas é caminho sem volta.

Quais são os obstáculos que impedem o crescimento maior?
Collie: Preço, obviamente, é uma barreira, embora esteja caindo. O outro é a ansiedade da autonomia. Os híbridos entram nessa equação, pois resolvem esse dilema. Nos próximos anos, as ondas de adoção serão de famílias com dois veículos – um a gasolina e o outro eletrificado. A China já é um grande mercado para híbridos, os Estados Unidos estão começando também. E, para chegar a 50%, 60% de penetração, a infraestrutura de recarga precisará ser construída nas vias e estradas.

A exploração do lítio pode ser um problema no futuro para a fabricação de baterias?
Collie:
Onde está a matéria-prima é um tema relevante na eletrificação. Os minerais e seu refino encontram-se concentrados mais na Ásia. No entanto, existe um movimento de reduzir a dependência da cadeia de suprimentos nos Estados Unidos. É um desafio, porque mover uma cadeia de uma região para outra demora e exige investimentos.

Como é esse movimento?
Collie:
O Departamento de Energia dos Estados Unidos lançou o projeto Li-Bridge, com a missão de elaborar estratégias para uma cadeia de fornecimento de baterias de lítio robusta e sustentável. Até 2030, a Li-Bridge quer duplicar a captura de valor atual, para os Estados Unidos aumentar a sua participação doméstica para 60%.

O hidrogênio verde pode ser uma boa solução de combustível para o futuro?
Collie:
A aplicação do hidrogênio é mais limitada em automóveis de passageiros, porque exige uma infraestrutura complexa. Talvez seja mais viável em veículos comerciais, que percorrem distâncias longas e transportam cargas pesadas. O Brasil tem tudo para ser líder em hidrogênio verde, mas para aplicações específicas.

No Brasil, a eletrificação será gradual

No embalo da entrevista de Brian Colle, Masao Ukon, diretor executivo e sócio do BCG no Brasil, falou sobre a transição energética no País.

Frente ao cenário mundial, como está a eletrificação no Brasil?
Masao Ukon:
Estamos em posição privilegiada para a descarbonização em razão dos recursos sustentáveis. Mas o caminho será mais gradual e com a combinação de forças de várias tecnologias, como motores híbridos, elétricos e flex. Não se pode descartar toda a estrutura construída em torno do etanol.

Aqui, há uma forte discussão se o carro elétrico realmente vale mais a pena que o etanol. Qual é a sua visão?
Ukon:
A discussão é difícil, porque depende do uso do veículo. Dá para dizer que biocombustíveis e motores elétricos são forças complementares. Uma combinação viável e possível.

O híbrido flex é uma solução ideal para o Brasil até que o mercado de elétricos esteja consolidado?
Ukon:
É uma tecnologia acessível e sem o impeditivo da infraestrutura. Trata-se de uma opção necessária, até porque o portfólio brasileiro é focado em carros de entrada, na qual a eletrificação pura é muito custosa.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?

Quer uma navegação personalizada?

Cadastre-se aqui

0 Comentários


Faça o login