Buscando sugestões para:


Na Perifa

MoviAfro fortalece cultura afro-brasileira em Feira de Santana

Organização aproxima a população da educação antirracista

2 minutos, 19 segundos de leitura

24/05/2022

Por: Jaqueline Ferreira

A Associação MoviAfro representa cerca de 26 instituições culturais e religiosas da cidade, que buscam reconhecimento do poder público para a promoção de ações afirmativas em municípios mais pobres da Bahia. Foto: divulgação/Luis Troina

Na Rua Platina, periferia de Feira de Santana, a 100 quilômetros de Salvador, são poucas as pessoas que não conhecem ou não foram atendidas por ações e projetos da Associação Cultural MoviAfro. A entidade foi criada em 20 de novembro de 2014 para promover igualdade e justiça social em uma região que quase não tem equipamentos de cultura, lazer e educação profissional. Por meio da cultura afro-brasileira e da educação antirracista, jovens e adultos têm acesso a conteúdos dificilmente encontram em outro lugar além da escola.

A MoviAfro representa cerca de 26 instituições culturais e religiosas da cidade, que buscam reconhecimento do poder público para a promoção de ações afirmativas em municípios mais pobres da Bahia. São aproximadamente 3 mil pessoas, entre colaboradores e integrantes. 

”Trabalhamos a questão social em saúde, esporte, educação, segurança e transformação social, principalmente em lugares carentes, em comunidades quilombolas”, diz Val Conceição, produtor cultural, gestor e um dos idealizadores da iniciativa.

Entre os mais de 20 projetos gratuitos voltados à formação, o Enemgrecer oferece aulas gratuitas preparatórias para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Já o Circuito Moviafro de Preservação da Cultura de Matriz Africana trabalha com empreendedores negros locais. 

Miss Afro Feira de Santana — Concurso popular na cidade, o Miss Afro é tradicional no município, mas o que muitas pessoas não sabem é do trabalho educacional desenvolvido. Durante quatro meses, meninas e mulheres passam por conversas, palestras, seminários, oficinas e cursos sobrer negritude e questões raciais. 

Para Anne Santos, pedagoga e uma das organizadoras do evento, o objetivo dos concursos vai além da estética. A principal função é formar as candidatas para o entendimento de sua origem e ancestralidade. “O que importa pra gente é o conhecimento, infelizmente muitas pessoas nem sequer sabem de suas verdadeiras origens”, diz Anne.

Durante os 90 dias anteriores à final, a MoviAfro acompanha de perto a vida e a rotina das meninas. Se necessário, elas podem receber atendimento médico, odontológico, psicológico e estético, entre outros serviços prestados por profissionais, parceiros e voluntários.  

A atual dona da coroa, Jora Verbena, conta que a experiência e o trabalho a ajudaram a ver outras possibilidades e conhecer ícones da cultura negra no país. “Foi muito conhecimento que adquirimos nos eventos. As avaliações, sempre baseadas em pessoas pretas ou assuntos relacionados à negritude, nos levaram a pesquisar e a querer aprender mais”, afirma Jora. “Foi graças ao concurso que conheci a história de Nzinga, Carolina Maria de Jesus e Elza Soares, entre outras, e através dessas histórias inspiradoras pude me fortalecer como negra.”


De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login