Na Perifa

Quando e como começar a ler pras crianças

Quando e como começar a ler pras crianças

4 minutos, 16 segundos de leitura

25/04/2022

Por: Estadão Expresso

Isadora lê livro ao lado do filho, Cassiano, de quatro meses. Foto: Antonio Molina/Estadão

Cassiano Freire Miranda começou a ouvir histórias ainda na barriga da mãe, Isadora Freire. Hoje ele tem quatro meses e a hora da leitura na casa da família, em Brasília, é sagrada. No final do dia, quando todas as rotinas já foram cumpridas e ainda não chegou a hora de dormir, Isadora pega seu bebê no colo ou o coloca no carrinho, estica a mão para alcançar os livros que ela deixou num cesto perto do sofá, e começa a ler para ele. Cassiano não entende as palavras nem as histórias, mas começa a aprender a ler sua mãe e a entrar em contato com as emoções. Dia desses, ao ler um mito grego para o pequeno, ela franziu a testa para fazer cara de espanto e, quando menos percebeu, o bebê estava mexendo a sobrancelha.

Por que, como e quando começar a ler para uma criança
  • O primeiro contato com a literatura ainda no colo dos pais é decisivo para que essa criança se torne uma pessoa leitora.
  • A Pesquisa Retratos da Leitura revelou, em sua edição mais recente, de 2020, um crescimento no número de crianças leitoras no Brasil, especialmente na faixa dos 5 aos 10 anos. A influência dos pais, sobretudo das mães, e dos professores foi responsável por isso, segundo o levantamento.
  • Zoara Failla, coordenadora da pesquisa, disse ao Estadão que a família está percebendo isso. “Quando ela lê para o filho, quando lê na frente das crianças, quando a presenteia com livro, isso faz toda a diferença”, comentou.

Zoara cita Bartolomeu Campos de Queirós (1944-2012), importante nome na questão da formação de leitores. “Ao defender que o conhecimento e a leitura acontecem em quatro dimensões (o afeto, a linguagem, a imaginação e a memória), Bartolomeu nos ajuda a entender como a contação de histórias para bebês pode despertar o prazer pela leitura. A leitura de livros de história pela família ou adulto, desde a primeira infância, possibilita compartilhar emoções. Ao ler ou contar histórias, a voz, a escuta, os gestos possibilitam associar o som das palavras à emoção que a história está transmitindo. Aprimora os sentidos e a atenção tão importantes na leitura.”

  • O despertar da imaginação e o desenvolvimento da oralidade, da fala, da escuta e da curiosidade pelas imagens, palavras e o que está escrito tem início nessa fase e depende do contato com materiais, brinquedos e objetos com imagens e palavras e com livros.
  • Os clubes de assinatura têm sido uma escolha de muitos pais que querem contar histórias para as filhos e não sabem por onde começar – mas querem bons livros de literatura.

“Assim como o brincar é uma experiência insubstituível para o desenvolvimento cognitivo, linguístico e emocional das crianças, conviver desde cedo com cantigas, parlendas, poemas e pequenas narrativas promove também conquistas importantes por meio das brincadeiras de linguagem e do “faz de conta” das narrativas”, comenta Márcia Leite, idealizadora da Pulo do Gato, uma das mais respeitadas editoras de livros para a infância.

  • Livros podem ajudar as crianças a falar sobre si e a nomear quando entram em contato com histórias que as convidem a entender o que estão sentindo, o que não conhecem, o que precisam compreender melhor

Daniela Padilha, editora da Jujuba, que publica livros infantis, tem estudado livros que incluem o bebê na leitura e percebeu que havia poucos títulos nacionais. “A maioria era importada e mais preocupada com a materialidade (plástico, cartonado, pano) em detrimento da história, da estética. Muitos nem sequer têm autoria. Então comecei a provocar autores brasileiros a pensar nesses livros junto comigo”, diz. “A primeira recepção foi uma negativa, afinal, o que seria um livro para bebês?” Em 2019, a Jujuba criou a coleção Literatura de Colo, que tem hoje 11 títulos

Dicas
Obras, clubes e livrarias para incentivar a leitura

Livros para bebês; dez sugestões da mãe e educadora Denise Guilherme

  • Aperte Aqui (Ática), de Hervé Tullet
  • Um Abraço Passo a Passo (Panda Books), de Tino Freitas e Jana Glat
  • Bebês Brasileirinhos (Cia. das Letrinhas), de Lalau e Laurabeatriz
  • Bola Vermelha (Pulo do Gato), de Vanina Starkoff
  • Céumar Marcéu (Jujuba), de Renato Moriconi
  • Era Uma Vez Outra Vez (Barbatana), de Edith Chacon e Priscilla Ballarin
  • O Mundo de Isa (Peirópolis), de Maria Cristaldi
  • Tchim! (SM), de Virginie Morgand
  • Bem Lá no Alto (Cia. das Letrinhas), de Susanne Strasser
  • Bia e o Elefante (Jujuba), de Carolina Moreyra e Odilon Moraes

Clubes de assinatura

  • A Taba
  • Quindim
  • Minha Pequena Feminista
  • Leiturinha
  • Clubinho do Livro do Submarino (não requer assinatura, apenas a compra do livro selecionado)

Livrarias especializadas na infância, em SP

  • Miúda e Pé de Livro (Pompeia)
  • Casa de Livros (Chácara Santo Antônio)
  • NoveSete (V. Mariana)
  • PanáPaná (V. Clementino)

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login