Na Perifa

Reinserção social: uma chance de recomeçar

Instituto Recomeçar atua na recolocação social de egressos do sistema penitenciário

2 minutos, 30 segundos de leitura

29/09/2021

Por: Leonardo Precioso, CEO do Instituto Recomeçar

Apoiar e gerar mais postos de trabalho para ex-presidiários — que decidiram escrever uma nova história de vida — é uma necessidade urgente. Foto: Getty Images

A reinserção social de ex-presidiários é um trabalho que enfrenta forte preconceito da sociedade. O registro da passagem pelo sistema penitenciário inviabiliza o acesso à concorrência legal por vagas de trabalho, situação que os leva à informalidade. Em casos mais extremos de pressão social, a vida ilegal acaba sendo o caminho. Apoiar e gerar mais postos de trabalho para esse público — que decidiu escrever uma nova história de vida — é uma necessidade urgente.

Fui criado no Itaim Paulista, extremo leste de São Paulo. Ainda criança, ingressei no Corinthians e fui jogador profissional. Contudo, o declínio profissional, somado ao descumprimento trabalhista de alguns clubes no início dos anos 2000, me fizeram abandonar a carreira precocemente. Voltei para o meu bairro e me deparei com uma família em delicada situação financeira. Sem oportunidades, fui acolhido pelo crime e me tornei um atuante vendedor de drogas, até que fui preso.

Ainda na cadeia, fui convidado pelo amigo Edu Lyra, CEO e fundador da Gerando Falcões, a mudar de vida. O desafio era abandonar as práticas criminosas e resgatar a minha cidadania assim que ganhasse a liberdade. Não só aceitei a provocação como fui o primeiro egresso ressocializado do projeto, sendo contratado para fazer parte do grupo de colaboradores da GF.

Com o objetivo de reintegrar à sociedade ex-detentos, qualificando e empoderando essas pessoas para trilhar um novo caminho social e profissional, fundei o Recomeçar. Desde então, por meio de uma metodologia que inclui atendimento inicial, encontro com mediadores e dinâmicas com a equipe multidisciplinar, já reinserimos centenas de pessoas no mercado de trabalho.

Segundo o relatório Reentradas e Reiterações Infracionais — Um Olhar sobre os Sistemas Socioeducativo e Prisional Brasileiros, divulgado pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias do Conselho Nacional de Justiça e o programa Justiça Presente em março de 2020, 42,5% das pessoas com mais de 18 anos que tinham processos em 2015 voltaram ao sistema prisional até o final do ano de 2019.

Para efeito de comparação, no ano de 2018, o Instituto Recomeçar conseguiu acompanhar 114 egressos atendidos pela nossa equipe através do sistema Semear do Tribunal de Justiça de São Paulo, em parceria com o Instituto Ação pela Paz. Os dados apontam que somente 3% deste público foi reincidente. Nos anos de 2019 e 2020, o acompanhamento dos atendimentos aconteceu em parceria com a doutora Orleide Rosélia Nascimento da Silva, Juíza da 2ª Vara regional de Execução Penal de Recife (PE), e, segundo levantamento, dos 328 egressos monitorados, apenas 5% reincidiram.

INSTITUTO RECOMEÇAR

O Recomeçar é uma ONG acelerada pela Gerando Falcões e funciona há cinco anos oferecendo aos ex-detentos (homens e mulheres) atendimentos psicológicos, sociais, preparação e encaminhamento para o mercado de trabalho. A Casa do Recomeçar fica em Poá, município do Alto Tietê, vizinho ao bairro do Itaim Paulista. Todos os dias egressos de vários bairros de São Paulo passam pelo atendimento em busca de ajuda

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login