Patrocinados

Novo Ensino Médio pode aprofundar desigualdades, diz pesquisadora

A verdadeira reformulação deve considerar os diferentes contextos sociais e econômicos em que os estudantes estão inseridos

50 segundos de leitura

14/08/2021

Por: Eduarda Nunes

Novo Ensino Médio pode aprofundar desigualdades, diz pesquisadora

O Ministério da Educação determinou que o Novo Ensino Médio comece a ser implementado a partir de 2022 nas turmas do primeiro ano

Com reportagem de Eduarda Nunes, do Favela em Pauta, no Rio de Janeiro

Adiada por causa da pandemia da covid-19, a nova formulação da etapa final da educação básica ficou ainda mais preocupante. O mundo passa por transformações sociais enquanto atravessa uma crise sanitária. A educação é das realidades mais atingidas.

A mestra em Educação Inez Campos, que pesquisa juventudes e ensino médio há oito anos, desenvolveu um conceito de qualidade de ensino na ótica dos estudantes e também analisou o Novo Ensino Médio a partir das percepções deles. Nesta reportagem em vídeo, explica que a verdadeira reformulação deve considerar os diferentes contextos sociais e econômicos em que os estudantes estão inseridos. Do contrário, aprofundará ainda mais as desigualdades sociais e educacionais.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login