Prêmio Mobilidade 2022

Trilha MotoMotor reflete diversidade no segmento de duas rodas

Com vencedores que vão de pequenas scooters a potentes motocicletas esportivas, premiação reforça o protagonismo das motos na mobilidade urbana

6 minutos, 36 segundos de leitura

22/12/2021

Por: Arthur Caldeira, do MotoMotor

Ducati Streetfighter V4S. Foto: Divulgação Ducati

A pandemia e suas consequências tornaram ainda mais evidente o papel das motocicletas na mobilidade urbana do Brasil. A produção e a venda de motos têm registrado alta nas vendas e retornado a um patamar melhor do que antes da chegada do coronavírus ao País, em fevereiro de 2020. Até novembro, já foram vendidas mais de 1 milhão de unidades, alcançando o volume de vendas anuais de 2019.

Alguns fatores explicam esse crescimento. Com o preço da gasolina nas alturas e o receio das pessoas em se “aglomerar” no transporte público lotado com a retomada das atividades, as motocicletas e scooters são uma opção acessível e econômica de se locomover. A espera por alguns modelos mais populares pode chegar a até 60 dias, em função da crise logística mundial. Ainda assim, as vendas estão em alta.
Isso sem falar nas entregas com motocicletas que foram incorporadas definitivamente a todo tipo de negócio, e não há quem ainda não tenha usufruído da agilidade dos veículos de duas rodas no delivery de praticamente tudo, de remédios a refeições completas.

Novamente, a trilha MotoMotor, do Prêmio Mobilidade Estadão 2022, reconhece o papel dos veículos de duas rodas na mobilidade urbana. Com fábricas e montadoras das principais marcas do planeta, o País é, hoje, um dos mercados mais importantes de motocicletas do mundo. Não faltam, portanto, lançamentos e novidades alinhadas com os principais mercados.

E os modelos indicados às categorias da trilha MotoMotor deste ano confirmam isso. Com concorrentes que vão desde pequenas scooters, até mesmo elétricas, a potentes e sofisticadas motocicletas de alta capacidade cúbica, os vencedores do prêmio revelam a grande diversidade do setor de duas rodas no Brasil. Confira os campeões.

Moto do MotoMotor 2022

1. Ducati Streetfighter V4S
2. Honda Africa Twin Adventure Sports
3. Harley-Davidson Fat Boy 114

Não faltam atributos que justifiquem a escolha da Ducati Streetfighter V4S como a Moto do MotoMotor 2022. Afinal, o modelo da marca italiana, considerada a “Ferrari” das motocicletas, ostenta um design esportivo, como as asas laterais herdadas das motos de competição, além de muita tecnologia embarcada.

Equipada com um motor de quatro cilindros em V e 1.103 cm³ de capacidade, também nascido nas pistas de corrida, a Streetfighter V4S é uma moto do estilo “naked”, com 208 cv de potência máxima, ou seja, desempenho para ninguém botar defeito.

Para domar toda essa força, a Ducati equipou a moto com um completo pacote eletrônico e itens de última geração. Controlado por uma unidade de medição inercial de seis eixos, capaz de detectar, instantaneamente, o ângulo de rotação, guinada e inclinação da moto no espaço, os sistemas de assistência ao condutor gerenciam desde o controle de tração até a aceleração, a frenagem e mesmo a derrapagem nas saídas de curva.

Expressão máxima da tecnologia em duas rodas, o modelo chegou ao Brasil em outubro, importado da Itália, pelo preço de R$ 146.990. Detalhe: todas as 60 unidades do primeiro lote já estavam vendidas.

Melhor moto para viajar

bmw
BMW G 310 GS. Foto: Divulgação BMW

1. BMW G 310 GS
2. Honda Africa Twin CRF 1100L
3. Harley-Davidson Fat Boy 114

Entre motos de alta cilindrada e muita tecnologia, o modelo eleito como o melhor da categoria foi a nova geração da BMW G 310 GS, que desembarcou por aqui no segundo semestre. Caçula da famosa linha “GS” de motos aventureiras, a G 310 GS tem, no Brasil, o seu melhor mercado em todo o mundo, segundo a BMW. Mostrando que não importa o tamanho do motor, mas sim a vontade de viajar.

A pequena moto aventureira possui motor de um cilindro e 310 cc, que ganhou acelerador eletrônico e embreagem deslizante. Com 34 cv de potência máxima, o suficiente para acompanhar o ritmo das estradas, a G 310 GS se destaca pela versatilidade.

Leve, com assento baixo e uma ciclística equilibrada, o modelo atende quem precisa de uma moto ágil para rodar na cidade e, também, quer um veículo confortável e com boas suspensões para se aventurar por aí.

Melhor moto para trabalhar

honda
Honda CG 160 Cargo. Foto: Divulgação Honda

1. Honda CG 160 Cargo
2. Honda CG 160 Fan
3. Yamaha Factor 150

Versão profissional da moto mais vendida do Brasil, a Honda CG 160 Cargo foi a grande vencedora da categoria. Com a mesma base mecânica da Honda CG 160, modelo que completa 45 anos em produção em 2021, a Cargo usa o consagrado motor de um cilindro, 160 cc, bicombustível.

A moto também passou por uma reformulação estética neste ano, com carenagens mais modernas e acabamento mais sofisticado.

Comercializada apenas na cor branca, a CG 160 Cargo já sai de fábrica pronta para “pegar no batente”. O modelo vem equipado com bagageiro, com capacidade para até 20 quilos de carga, e facilita a instalação de baús ou o transporte de cargas avulsas. Também conta com suspensões e pneus reforçados para uso profissional, além de cavalete central de série – item que facilita a manutenção e permite estacionar em diferentes superfícies com mais segurança.

Melhor scooter

Honda ADV 150. Foto: Divulgação Honda

1. Honda ADV 150
2. Yamaha NMax 160 ABS
3. Voltz EV1 Sport (elétrico)

As scooters caíram no gosto do brasileiro. Leves, fáceis de pilotar e práticos, esses veículos de duas rodas estão batendo recorde de vendas mês a mês. Em um país como o Brasil, onde quase 90% das rodovias não são pavimentadas, é fácil entender por que a Honda ADV 150 foi escolhida a Melhor Scooter de 2022.

Com a proposta de ser “aventureira”, a Honda ADV traz suspensões de curso mais longo do que outras scooters, além de pneus de uso misto. Tudo para rodar com mais segurança em pisos irregulares e até mesmo na terra.

Com mais de 10 mil unidades vendidas só neste ano de lançamento, a ADV já ocupa a quinta posição entre as scooters campeãs de venda. Além de seu chassi reforçado e ciclística robusta para enfrentar as estradas ruins Brasil afora, a ADV ainda traz um design atraente e outras praticidades, como chave de presença Smart Key, painel totalmente digital, iluminação full-LED e freio ABS na roda dianteira.

Melhor inovação em motos e scooters

voltz

As estações de troca de bateria da Voltz estão em fase de testes; iniciativa visa facilitar o uso de motos elétricas. Foto: Divulgação Voltz

1. Estações de troca de bateria Voltz
2. Android Auto e Apple CarPlay na Honda Africa Twin 1100
3. Plataforma online de compartilhamento de motos – Roncco Moto Share

Com o objetivo de incentivar e popularizar o uso das motos e elétricas no País, a Voltz criou um projeto piloto de estações de troca de bateria. Eleita a melhor inovação do segmento, a ação, realizada em parceria com a iFood e com o Turbo, hub de inovação da Ipiranga, é o primeiro passo de um grande projeto da Voltz, que inclui venda de motos sem bateria e plano de assinatura para utilização das estações de troca de bateria.

As duas primeiras Estações Voltz já foram instaladas na cidade de São Paulo. Por enquanto, atendem apenas os entregadores do iFood que pilotam os modelos EVS Work da Voltz. Por meio de um aplicativo, o entregador, que não pode “perder tempo” para recarregar a bateria, simplesmente deixa a sua na estação e pega uma totalmente recarregada, pronta para ser usada.

O plano é instalar outras 50 estações na capital paulista em postos da Rede Ipiranga. As duas empresas planejam distribuir estações de troca de bateria nos postos da rede em todo o País.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login