Mobilidade para quê?

Rastreadores podem ser opção para proteger sua moto ou scooter

Com alto valor do prêmio dos seguros convencionais e rejeição a alguns modelos de motocicleta, serviço de rastreamento veicular é alternativa para reduzir perdas em caso de roubo ou furto

6 minutos, 6 segundos de leitura

22/09/2021

Por: Arthur Caldeira

Embora ofereçam menos serviços e coberturas do que os seguros convencionais, alguns serviços de rastreamento já incluem cobertura a colisões e terceiros. Fotos: Getty Images

Embora tenha registrado queda durante a pandemia, o roubo e o furto são uma preocupação constante de quem possui uma motocicleta no Estado de São Paulo. Segundo dados do Boletim Econômico Tracker-Fecap, entre março e agosto de 2020, foram registradas, em média, 970 ocorrências de roubo de moto por mês – diminuição de 14,16%, em comparação ao mesmo período de 2019, quando a média mensal foi de 1.130 roubos. 

O levantamento realizado pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), em parceria com a empresa de rastreamento Tracker, com base em análise dos boletins de ocorrência registrados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado, também revelou que cerca de 1.000 motocicletas são furtadas, mensalmente, no Estado. A capital, com a maior frota e o grande adensamento populacional, lidera o ranking, com 52,49% dos roubos e 40,43% dos furtos de motos, no período de seis meses de 2020.

Apesar dos números elevados, 95% das motocicletas registradas no Brasil não possuem seguro, de acordo com a Suhai Seguradora, especializada em motocicletas. Isso acontece porque muitos modelos, a depender da capacidade cúbica (cilindrada) ou da forma de uso, não são aceitos nas seguradoras tradicionais, com cobertura compreensiva.

“Algumas motos têm um prêmio muito alto, o que praticamente inviabiliza o seguro”, afirma Henrique Mora, corretor de seguros que atua na capital paulista. Segundo ele, um valor aceitável do prêmio vai até 15% do valor do bem, ou seja, da moto. 

Rastreador não é seguro

Esse cenário fez com que empresas procurassem alternativas para oferecer algum tipo de proteção aos motociclistas. O mais comum é o rastreador com seguro apenas para roubo e furto, o que barateia o valor pago pelo segurado, mas também não oferece proteção em caso de sinistros com acidente, queda ou enchente nem de perda total em caso de colisão grave.

“´Vale esclarecer que o serviço de rastreador ou indenização por roubo e furto não é um seguro completo”, alerta Henrique Mora. “Digo para meus clientes motociclistas que esse tipo de serviço é a última opção para proteger sua moto”, explica o profissional.

O corretor esclarece que a grande maioria dos serviços de rastreamento de motocicleta só oferece cobertura no caso de roubo e furto. A indenização acontece caso a moto roubada ou furtada não seja localizada. Muitas vezes, a indenização não é de 100% da tabela Fipe, além do fato de que muitas motos são encontradas sem diversas peças, o que causa alto prejuízo ao proprietário.

Mas isso está mudando. Em agosto, a própria Suhai passou a oferecer cobertura contra terceiros, depois de incluir também indenização por perda total por colisão e danos. “A demanda por esse modelo de cobertura é cada vez maior e o nosso propósito é fazer com que todas as pessoas tenham acesso aos seguros, o que quebra paradigmas antigos sempre aplicados pelo setor”, afirma Fernando Soares, CEO da Suhai Seguradora.

Por enquanto, limitada aos clientes paulistas, a empresa pretende estender a cobertura Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos a outras praças, com valores que variam de R$ 20 mil a R$ 150 mil, para danos materiais e corporais, e de até R$ 20 mil, para danos morais.

Pane mecânica e guincho

Ao contratar um serviço de rastreamento para sua motocicleta, é importante prestar atenção ao contrato para verificar o valor da cobertura e os serviços oferecidos. Diferentemente dos seguros convencionais, muitas empresas de rastreamento veicular não oferecem guincho nem assistência 24 horas. 

Na Suhai, por exemplo, o seguro contra roubo e furto de moto já é oferecido com assistência 24 horas, que inclui guincho ou reboque, além de transporte domiciliar.

OFERTAS 0KM

“Mas as coberturas costumam ser mais limitadas do que em um seguro convencional. Geralmente, o serviço de guincho está limitado a duas ou três vezes e só atende num raio de 100 quilômetros da residência do segurado”, alerta o corretor Henrique Mora.

Outra empresa que atua, há cinco anos, no mercado de rastreamento veicular, a JL Seguro System oferece planos de rastreamento para motos e scooters com cinco saídas de guincho por mês, troca de pneu e até eletricista especializado, caso ocorra uma pane elétrica na moto. 

Atenção à indenização

O mercado de rastreadores para moto tem crescido tanto que atraiu até o interesse de seguradoras tradicionais, como a Porto Seguro. Desde julho, a empresa disponibiliza, em seu portfólio de produtos e serviços, um rastreador para motocicletas pela primeira vez. “Sabemos da grande demanda no mercado e, por isso, queremos entregar um produto com valor acessível, que seja fácil de utilizar e tenha alto nível de confiabilidade”, diz Ricardo Castro, gerente de produtos do Rastreador Porto Seguro.

Além de disponibilizar o o serviço, por meio de um aplicativo para smartphones iOS e Android, o produto possui a funcionalidade Guardião, que monitora a motocicleta quando ela está estacionada. Caso haja uma movimentação, o app avisa o cliente e, se confirmada a tentativa de furto, ele pode comunicar à Central 24h com agilidade para iniciar o processo de localização.

Entretanto, o rastreador para motos da Porto Seguro não oferece indenização, caso a motocicleta não seja localizada. O serviço também não se responsabiliza pela recuperação do bem. Por isso, é importante ficar atento à indenização se a motocicleta roubada ou furtada não seja localizada. Muitos serviços não indenizam o cliente.

No caso da JL Seguro System, a indenização, se a moto não seja localizada, é feita pelo valor da Tabela Fipe, mas com um teto de R$ 30 mil. Na Suhai Seguradora, os valores de indenização variam conforme o modelo da moto, podendo chegar a apenas 80% do valor do bem.

Tecnologia faz a diferença

Foto: Getty Images

Além de entender que rastreador para motocicleta é diferente de um seguro de cobertura compreensiva para moto, é importante conhecer as diferenças entre as tecnologias utilizadas pelas empresas de rastreamento. Pois isso pode influenciar no valor do plano mensal e até mesmo causar problemas para sua moto. 

A JL Seguro System, por exemplo, usa rastreamento de sistema âncora. Ou seja, o rastreador informa, em tempo real, as coordenadas exatas da localização do veículo através de um GPS/GPRS. Por meio de um aplicativo de smartphone, o proprietário consegue identificar onde está sua moto e, caso em movimento, recebe até mesmo informações de velocidade e direção em que se desloca.

O rastreador instalado pela JL Seguro System é resistente a água e poeira, possui bateria reserva e sistema anti-jammer, que consiste em um pequeno aparelho instalado, juntamente, com o rastreador que anula a ação de bloqueadores de sinal. Para segurança do cliente, o equipamento não tem botões e nenhum tipo de sirene, o que faz com que o bandido não perceba que está sendo monitorado. 

  • Cerca de mil motocicletas são furtadas todos os meses no Estado de SP
  • Dados: Secretaria de Segurança Pública do Estado. Fontes: Fecap e Tracke 
  • 95% das motos brasileiras não têm seguro

Fonte: Suhai Seguradora

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login