Voltar

Especial Delivery

Mobilidade para quê?

Motos e scooters são alternativas ao transporte público lotado

Veículos de duas rodas evitam aglomerações em ônibus, metrô e trem na retomada das atividades

Honda Motos, Media Lab Estadão

27/08/2020 - 6 minutos, 43 segundos


Motos e scooter também reduzem tempo de deslocamento e gastam pouco combustível. Foto: Divulgação/Honda

Leia mais:
Acidentes de moto: descubra como prevenir os maiores riscos
5 acessórios para proteger a sua moto
Prefeitura de SP adia processo de concessão da Zona Azul em 40 dias

Após o período de quarentena, a consultora de vendas, Luiza Ferreira Machado, 30 anos, teve de voltar ao trabalho por decisão do patrão. “Até tentei negociar um retorno gradual, mas a empresa voltou a funcionar todos os dias”, diz. De uma hora para outra, Luiza se viu obrigada a retomar a rotina de cerca de uma hora e meia no transporte público para ir da sua casa ao trabalho.

 “Eu já não gostava muito de sentar nos bancos, nem sempre limpos, e não me sentia confortável de encostar em nada. Depois do coronavírus, então, ficou insuportável para mim”, conta ela. Para fazer o percurso entre o bairro do Campo Belo, onde mora, até o Ipiranga, ambos na zona sul da capital paulista, Luiza tinha de tomar um ônibus até a estação de metrô, e depois encarar duas linhas até o escritório.

A consultora de vendas até tentou ir de carro ou aplicativos de transporte, mas viu seu gasto mensal com transporte estourar.  “Estava gastando cerca de R$ 500, R$ 600 com gasolina, Uber, trem e metrô”, contabiliza.

Em virtude das circunstâncias, Luiza antecipou os planos. “Eu vinha amadurecendo a ideia de comprar uma moto. Estava me planejando para fazer isso no final desse ano. Mas, com a pandemia, aproveitei a oportunidade de parcelar no cartão de crédito”, conta ela, que comprou uma scooter Honda SH 150i, em meados de julho.

“Eu tive moto por muito tempo, mas estou me acostumando com a scooter. Ela é automática, superfácil de pilotar. Escolhi a SH 150i porque achei o design mais bonito, mas também por causa dos freios ABS e das rodas grandes”, explica Luiza. “Freia muito bem e é bem estável”, conta ela.

Mais tempo

Com a scooter Honda SH 150i, Luiza leva 25 minutos da casa ao trabalho. Foto: Arquivo Pessoal

Além de ir com mais segurança de casa ao trabalho, Luiza ainda economiza dinheiro com a moto. “O computador de bordo está mostrando consumo de 40 km/litro no painel”, comemora.

Isso sem falar na economia de tempo no deslocamento diário. De ônibus e metrô, Luiza levava uma hora e meia para voltar para casa. Agora, de scooter, demora 25 minutos. Com o tempo extra, Luiza pretende se dedicar a mais um trabalho, para melhorar a renda. “Chego mais cedo em casa, mais descansada e consigo me dedicar a um novo trabalho”, conta.

Venda de motos volta a subir

O receio de Luiza em enfrentar o transporte público lotado, por medo da covid-19, não é sem razão. Especialistas apontam que trens e ônibus lotados são locais de alto risco para transmissão do novo coronavírus. Tanto que, em diversas cidades brasileiras e também em outros países, o número de usuários no transporte público tem registrado queda, mesmo após a retomada das atividades.

Venda de motos cresceu 85,6% em julho na comparação com junho. Foto: Divulgação/Honda

Nesse cenário, motos e scooters aparecem como opção segura e acessível para evitar as aglomerações. A venda de motos, embora registre redução em 2020, tem demonstrado reação, com a reabertura da economia.

Em julho, as vendas cresceram 85,6% em comparação a junho, somando 85.166 motocicletas e scooters vendidas.

“Estamos acompanhando, desde meados de julho, uma recuperação da demanda por motocicletas, até o momento, em um ritmo mais rápido do que esperávamos. A venda de cotas de consórcio, por exemplo, cresceu 21% em julho na comparação com o mês anterior”, revela o gerente geral de vendas da Honda Motos, Marcos Paulo Monteiro.

Segundo o executivo, devido à paralisação na fábrica da Honda em Manaus (AM), entre os meses de março e maio, em função do novo coronavírus, chegou até mesmo a faltar algumas cores e modelos nas concessionárias da marca. “Mas com a retomada da produção, estamos reabastecendo a rede”, garante.

Quer uma scooter? Veja opções

Se você não quer aumentar o risco de contaminação, ou ainda, quer economizar tempo e dinheiro, troque o transporte público por uma scooter ou uma moto.

OFERTAS 0KM

Além da SH 150i, a Honda oferece outros modelos de scooters, que prezam pela facilidade do câmbio automático, a praticidade do porta-objetos sob o assento e pela economia de combustível. Conheça:

Honda Elite 125

Honda Elite 125 roda até 53 km/litro de gasolina. Foto: Divulgação/Honda

Modelo de entrada do line-up de scooters da Honda, a Elite 125 é ideal para quem quer deixar o transporte público para trás e se locomover com rapidez e economia na cidade. Tem motor de 125cc com a facilidade do câmbio automático CVT e roda até 53 km com um litro de gasolina. Embora seja o modelo mais acessível, a Elite conta com um design moderno, evidenciado pela iluminação de LEDs e com um painel 100% digital.

Para garantir sua segurança, tem freio a disco na roda dianteira e conta com o sistema CBS (Combined Braking System), que distribui a força de frenagem entre as rodas e garante frenagens mais eficientes.

Honda PCX 150

PCX 150, scooter mais vendida do Brasil, tem freio ABS e Smart Key na versão DLX. Foto: Divulgação/Honda

Scooter mais vendida do Brasil, a PCX é vendida em quatro versões: CBS, ABS, DLX e Sport que oferecem tecnologia geralmente encontrada em automóveis de luxo, como o Sistema Idling Stop, que desliga o motor em paradas mais longas e ajuda a economizar ainda mais combustível e poluir menos o meio-ambiente.

Tem painel 100% digital completo com marcador de combustível e relógio, além de consumo médio e instantâneo em um computador de bordo.

As versões DLX e Sport têm acabamento diferenciado e ainda oferecem Smart Key (chave de presença) e tomada 12V no porta-luvas para recarregar o smartphone.

Honda SH 150i

Honda SH 150i tem design europeu com rodas aro 16 e freios ABS. Foto: Divulgação/Honda

Sucesso de vendas na Europa, a SH 150i tem design elegante e refinado no estilo europeu, com assoalho plano. Seu motor de 14,7 cv também tem o sistema Idling Stop e os freios têm sistema ABS nas duas rodas.

As rodas de liga-leve têm 16 polegadas e garantem mais conforto. Vem com iluminação de LED com luz de iluminação diurna que proporciona mais segurança, além de Smart Key (chave de presença) e tomada 12 V.

Honda SH 300i

Honda SH 300i Sport tem para-brisa de série e motor potente, com 25,9 cv, para viajar. Foto: Divulgação/Honda

Confortável e elegante para o uso urbano, a SH 300i também tem bom desempenho para pegar a estrada, em função de seu motor de 300cc com 25,9 cv de potência – o câmbio também é automático CVT.

Ela tem rodas de liga-leve de 16 polegadas, freios ABS, além de iluminação de LED e para-brisa de série para proteger o piloto das intempéries do clima. Assim como no modelo de 150 cc, a SH 300i tem Smart Key (chave de presença) e tomada 12 V.

Honda X-ADV

Misto de scooter e moto aventureira, X-ADV tem motor de 750 cc e suspensões robustas. Foto: Divulgação/Honda

Projeto inovador da Honda, a X-ADV é o único que mescla a praticidade do scooter com a versatilidade de uma moto aventureira. Considerada uma maxi-scooter, a X-ADV tem motor de dois cilindros, 750 cc e 55 cv de potência.

Mas ao invés do CVT, têm câmbio de dupla embreagem (DCT) como nos automóveis de luxo, com trocas automáticas ou manuais por meio de botões nos punhos.

Com um design arrebatador, o X-ADV oferece iluminação full-LED, para-brisa ajustável para viajar, protetores de mão e rodas grandes para rodar em qualquer terreno. Vale destacar ainda o amplo espaço sob o assento e o belo painel digital no estilo rally.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login