Voltar

Conteúdo original E Mais Estadão

Mobilidade para quê?

Por uma arquitetura flexível

A arquiteta, urbanista e designer brasileira Elizabeth de Portzamparc, radicada na França, comenta sua carreira e obras

Marcelo Lima

23/03/2019 - 2 minutos, 44 segundos


Fachada de um edifício parisiense
Fachada do edifí­cio com inauguração prevista para o próximo dia 2 de junho. Foto: Serge Urvoy

Arquiteta, urbanista e designer, a brasileira Elizabeth de Portzamparc concorda com o escritor austríaco Fritjof Capra, que afirmou, em O Tao da Física, que são as inter-relações entre as partes que determinam a trama inteira. “E essas conexões, que se enriquecem mutuamente, estão em todos os meus projetos. Somente por meio de uma abordagem holística é que a arquitetura vai escapar da obsolescência”, afirma a profissional, radicada na França, que esteve no Brasil este mês para proferir duas palestras e lançar seu livro Nova arquitetura e arquitetura de conexões, no Rio, de onde ela concedeu esta entrevista, por e-mail ao Casa

Leia mais:
Pesquisa aponta que 30% de donos de carro abririam mão do veículo por outros meios de transportes
Prefeitura de SP adia processo de concessão da Zona Azul em 40 dias
Doria desiste de metrô leve no ABC e anuncia corredor de ônibus especial

Como arquiteta, o que a levou a ter uma atuação global tão destacada? 

Em 1969 fui para Paris, e lá estudei economia e me especializei em sociologia urbana. Trabalhando em um ateliê de planejamento urbano da prefeitura, propus um passeio público entre Montparnasse e Massy, que existe até hoje. Curiosamente, em 2011, ganhei um concurso para construir um bairro, também em Massy. Nos anos 1980, quis me dedicar mais à minha família e voltei minha carreira para a arquitetura de interiores e o design, tendo criado de móveis a luminárias. Em 1998, finalmente, voltei ao urbanismo, desenhando estações e mobiliário urbano em Bordeaux e passando a participar de vários concursos internacionais. Na minha equipe, além dos arquitetos, eu tenho um núcleo multidisciplinar de estudos, que trata de sustentabilidade, antropologia, sociologia, urbanismo, história e ecologia. Creio que esta abordagem foi essencial para que eu pudesse vencer importantes concursos internacionais a partir de 2000, que acabaram por projetar meu nome globalmente. 

Após ter trabalhado em tantos e diferentes países, existem questões que considera comuns a todos eles no atual momento histórico?

Creio que os grandes pontos comuns do mundo podem ser resumidos em um termo único: conexões. Meios de transportes públicos, mobilidade urbana e proximidade física são questões cruciais, pois a carência destes elementos leva ao isolamento e, no entanto, sabemos que as relações sociais são essenciais. Elas produzem a inteligência coletiva necessária para enfrentarmos nossas grandes crises, sejam elas econômicas, climáticas ou socioambientais.

A senhora já afirmou que a flexibilidade é uma questão fundamental para os arquitetos e urbanistas frente aos desafios do futuro. Explique como trabalha este conceito em seu trabalho.

Hoje não é possível pensarmos cidades, bairros ou qualquer empreendimento urbano sem considerar uma série de conceitos éticos, como o desenvolvimento sustentável, as conexões sociais, o respeito ao contexto local e a possibilidades de intervenções posteriores. Há 40 anos vivemos a cultura do presente, que, no meu entender, é oposto da essência da arquitetura. Precisamos retomar o tema da reversibilidade, assim como os fundamentos da boa arquitetura: seu uso e sua adequação aos contextos edificado, paisagístico e climático. Por isso, qualquer que seja a inserção feita, ela deve contemplar o futuro. Assim como as construções precisam abrigar, desde seu início, possíveis invenções que possam ocorrer no futuro.

A arquiteta Elizabeth de Portzamparc, vencedora do concurso internacional promovido pela prefeitura de Nîmes, em 2012
A arquiteta Elizabeth de Portzamparc, vencedora do concurso internacional promovido pela prefeitura de Nîmes, em 2012 Foto: Steve Murex

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login