Patrocinados

A colonial Morretes dos tropeiros

A Continental Pneus faz 150 anos e, em parceria com o Estadão, elaborou um pequeno guia de viagens de carro a partir de algumas das principais capitais do País, como Morretes (PR)

4 minutos, 18 segundos de leitura

18/10/2021

Rio Nhundiaquara, que corta a cidade de Morretes (PR): tranquilidade e sossego. Foto: Getty Images

O prazer de ir a Morretes, a 70 quilômetros de Curitiba, capital paranaense, já começa no caminho. Descer a Serra do Mar de carro pela Estrada da Graciosa, como é mais conhecida a Rodovia PR-410, é uma experiência que precisa ser realizada ao menos uma vez na vida. Esse é um dos mais bonitos caminhos do País. Por isso, a Continental Pneus escolheu Morretes como um dos destinos para uma agradável viagem de fim de semana. 

Estrada da Graciosa: um dos mais bonitos caminhos do País. Foto: Site oficial prefeitura de Morretes (PR)

A cidadezinha de pouco mais de 16 mil habitantes fica à beira dessa estrada histórica inaugurada em 1873 na mesma rota utilizada pelos tropeiros que seguiam das proximidades da capital até o litoral paranaense, no século 18. Seus pouco mais de 33 quilômetros calçados com pedras uniformes deixam à mostra parte da beleza de um dos trechos mais preservados de Mata Atlântica do Brasil garantidos pela Unesco como Reserva da Biosfera. Por entre a vegetação florida o viajante passa por riachos e quedas de águas limpas, mirantes para observar a natureza com mais calma, além de boa estrutura turística com churrasqueiras e banheiros. Para degustar cada metro desse cenário é recomendável percorrer a estrada devagar, até porque há trechos bastante sinuosos com curvas fechadas. 

Casario colonial é um atrativo para se desvendar a cidade a pé. Crédito: Site oficial prefeitura de Morretes (PR)

Morretes não é menos bela que a estrada que leva até ela. A cidade formou-se a partir de 1733 ao redor da capela dedicada ao Menino Deus dos Três Morretes, graças aos pequenos morros visíveis nas proximidades. O casario colonial, a pracinha com coreto e o Rio Nhundiaquara, que corta a cidade, fazem a paisagem muito prazerosa de ser percorrida a pé. Por esse rio chegavam embarcações para transportar a erva-mate produzida na região no século 18 e era onde os tropeiros descansavam de suas longas travessias. 

A serra e o barreado

Próxima da cidade a Serra do Marumbi, com 1.500 metros de altura no pico do mesmo nome, o mais alto, é a grande atração para montanhistas. Em meio à Mata Atlântica, a serra está protegida pelo Parque Estadual Pico do Marumbi. Outro passeio interessante para quem está em Morretes é subir a serra no trem turístico e voltar no mesmo dia. Basta ficar de olho nos horários e embarcar no terminal da cidade. O trem percorre trechos preservados de floresta, atravessa vários túneis escavados nas montanhas e cruza pontes impressionantes nas alturas. É um dos mais antigos e encantadores caminhos ferroviários do País. 

Por fim, sair de Morretes sem saborear o irresistível barreado, prato típico da cidade, é uma heresia. Receita atribuída aos tropeiros, a iguaria é um cozido de carnes bovinas diversas com bacon, temperado com cebola e folhas de louro em uma panela de barro tampada – ou barreada, como se costumou dizer por lá – com uma massa de farinha de mandioca e água. Tudo fica no fogo durante mais de 10 horas e depois é servido na mesa com banana, fatias de laranja e muita farinha. 

Para pegar a estrada com segurança

É muito fácil chegar a Morretes a partir de Curitiba. O trajeto mais rápido é pela BR-277 em direção a Paranaguá, litoral paranaense. Mas, se o dia estiver ensolarado, prefira o caminho mais agradável pela Estrada da Graciosa, saindo de Curitiba em direção a São Paulo pela rodovia BR-116 até o km 61, no trevo para Campina Grande do Sul. Vire à direita quando encontrar o Portal da Graciosa, que dá acesso à PR-410 até Morretes. Antes, siga essas quatro dicas para aumentar a vida útil dos seus pneus e viajar com segurança. Lembre-se sempre de cuidar dos protocolos de higienização para evitar a contaminação pelo coronavírus:

1) Um pneu com bolhas causadas por impactos corre o risco de se romper a qualquer momento, causando perda súbita de pressão. Nessas condições, o pneu fica inutilizado e deve ser substituído imediatamente.

2) Uma roda amassada por conta de um buraco ou um choque com algum obstáculo representa um perigo para a sua segurança, dos que viajam a seu lado e dos outros motoristas e pedestres. Há risco de perda repentina de toda a pressão do pneu, que pode comprometer a dirigibilidade e causar acidentes. 

3) Desajustes na válvula também podem causar o esvaziamento gradativo do pneu, provocando desgaste e deformações. Troque se ela estiver desgastada ou trincada.

4) Confira se o alinhamento das rodas está correto. Se você soltar o volante e a direção do veículo pender para algum lado, é sinal de que a geometria pode estar com alguma irregularidade. O desequilíbrio gera desgaste adicional no pneu, encurtando a sua vida útil, além de comprometer a segurança.

Importante: todos esses serviços, entre outros relacionados à manutenção de seu veículo, podem ser realizados em uma das lojas da Continental Pneus. Clique aqui e encontre a revenda mais próxima. 

Boa viagem! 

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login