Buscando sugestões para:


Logo
Patrocínio
Entender

O que é o amortecedor pressurizado? Vale a pena utilizá-lo?

Saiba como funciona um amortecedor e entenda as diferenças entre os modelos convencional e pressurizado

2 minutos, 24 segundos de leitura

06/06/2022

amortecedor pressurizado
Foto: Getty Images

Os amortecedores, importantes componentes da suspensão do carro, são divididos basicamente em dois tipos: o convencional e o pressurizado. Mas para entender a diferença entre eles, é importante primeiro retomar o princípio de funcionamento desse sistema. 

Para ilustrar de forma bastante simples, podemos imaginá-lo como uma seringa de injeção contendo óleo. A diferença é que o fluido no amortecedor permanece no interior do recipiente, com o óleo passando de um lado para outro por meio de orifícios no êmbolo. É a velocidade com a qual o líquido passa por esses furos que faz o amortecedor absorver os movimentos da carroceria.

O amortecedor convencional possui um conjunto formado por pistão e válvulas que são fixados a uma haste (tudo isso corresponderia ao êmbolo da seringa). Esta, por sua vez, se move no interior de um tubo (a seringa) que contém um fluido hidráulico, desenvolvido especificamente para esse uso. O movimento constante e rápido gera muito calor e pressão e, assim, o óleo deve resistir a altas temperaturas.

Vantagens do amortecedor pressurizado

“O amortecedor convencional funciona muito bem, mas em condições mais severas, a velocidade de acionamento do pistão eleva-se tanto que o fluido não consegue acompanhá-lo, o que resulta na formação de bolhas de ar logo abaixo do pistão”, explica Jair Silva, gerente de qualidade e de serviços da Nakata. 

Quando isso ocorre, surgem espaços vazios dentro do tubo. O amortecedor pressurizado foi criado para evitar esse efeito, que prejudica a eficiência do componente. Além do fluido, ele conta com nitrogênio pressurizado em seu interior. 

“Com um sistema de válvulas de fluxo, é criada uma câmara pressurizada, fazendo com que o óleo seja pressionado para dentro do tubo de pressão com maior velocidade, evitando o surgimento de bolhas de ar, mesmo em condições severas”, afirma Silva. Com isso, o amortecedor trabalha de forma mais eficiente, mantendo o pneu em contato com o piso e garantindo aderência, estabilidade e conforto.

É importante lembrar que o amortecedor convencional segue muito utilizado em veículos comerciais, caminhões e ônibus – assim como em carros mais antigos – e, por isso, ainda são encontrados no mercado de reposição. Já os veículos mais modernos ou projetados para trafegar sobre pisos irregulares com maior frequência (SUVs e picapes, principalmente), saem de fábrica com amortecedores pressurizados

A substituição do amortecedor convencional pelo pressurizado não traz nenhum prejuízo ao veículo, mas é importante verificar se a troca vale a pena. Um carro projetado para utilizar os modelos mais simples nem sempre vai apresentar melhorias significativas se equipado com os pressurizado. 

O mais recomendado – como sempre – é seguir as indicações da fabricante do veículo, além de manter a manutenção em ordem.

De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil para você?
Quer uma navegação personalizada?
Cadastre-se aqui
0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login

Espaço do patrocinador

Com Você. Sempre.

Conheça mais de nossos produtos.

VER AGORA